PUBLICIDADE
Topo

Scarlett Johansson acusa Globo de Ouro de sexismo e assédio sexual

Reprodução
Imagem: Reprodução

Colaboração para Splash, no Rio de Janeiro

10/05/2021 21h02

Após Tom Cruise devolver seus três prêmios no Globo de Ouro em meio a escândalos de racismo, Scarlett Johansson também se pronunciou sobre o assunto. A protagonista de Viúva Negra relatou situações sexistas na premiação e pediu para que seus colegas da indústria interrompessem o envolvimento com a Hollywood Foreign Press Association (HFPA), um grupo de jornalistas internacionais que determina os indicados e vencedores do Globo de Ouro.

Em fevereiro deste ano, o jornal Los Angeles Times relatou que não há nenhum votante negro na HFPA, gerando muitas críticas à premiação de cinema e TV. Em meio a protestos que visam romper laços com a organização até que haja mudanças inclusivas, Scarlett Johansson disse que se recusa a participar das conferências organizadas pelo grupo de jornalistas. Em comunicado enviado aos sites Deadline e Variety, a atriz disse:

Como uma atriz que promove um filme, espera-se que a pessoa participe da temporada de premiações participando de coletivas de imprensa e também de shows de premiação. No passado, isso muitas vezes significava enfrentar questões e comentários sexistas de certos membros da HFPA que beiravam o assédio sexual. É a razão exata pela qual eu, por muitos anos, me recusei a participar de suas conferências.

A atriz, que foi indicada cinco vezes ao Globo de Ouro ainda alegou que o HFPA "foi legitimado por gente como Harvey Weinstein para ganhar ímpeto para o reconhecimento da Academia e a indústria o seguiu".

Johansson concluiu: "A menos que haja uma reforma fundamental necessária dentro da organização, acredito que é hora de dar um passo atrás no HFPA e nos concentrar na importância e na força da unidade dentro de nossos sindicatos e da indústria como um todo."