PUBLICIDADE
Topo

'Mestre do Sabor': chef Leo Paixão bomba nas redes ensinando comida simples

Leo Paixão
Leo Paixão
Reprodução/Instagram

Gabriel Nanbu

De Splash, em Santos

06/05/2021 12h00Atualizada em 06/05/2021 12h32

Leo Paixão, que reestreia hoje como um dos técnicos da nova temporada de "Mestre do Sabor" (Globo, depois da novela "Império"), bomba nas redes com receitas caseiras.

O chef até se gaba de ter feito faltar polvilho azedo em mercados de Belo Horizonte após publicar sua receita de pão de queijo.

Proprietário dos restaurantes Glouton e Nicolau Bar da Esquina, na capital mineira, Leo está em uma missão nesses tempos de pandemia: aproximar homens, mulheres e famílias da cozinha, com receitas simples e de poucos ingredientes. Sua ferramenta: as redes sociais.

E tem feito sucesso, viu.

Continua depois da publicidade

A receita de pão de queijo do Leo, antes que nos perguntem:

Nenhum supermercado da cidade tinha mais polvilho azedo. As pessoas assavam os pães e me marcavam nos stories. Tive umas 1,5 mil marcações com minha receita, uma loucura.
Leo Paixão
Reprodução/Instagram - Reprodução/Instagram
Leo Paixão "acabou" com o polvilho azedo em Belo Horizonte
Imagem: Reprodução/Instagram

Crescimento nas redes

Leo, de 39 anos, tem 800 mil seguidores no Instagram. Ele conta que começou a publicar receitas durante a quarentena de forma despretensiosa, cozinhando com a família "trancafiada em casa".

Cozinhar é muito simples. Por mais complexo que seja o prato, basta seguir corretamente uma série de etapas simples. Quero mostrar como fazer um passo por vez para dar certo.
Leo Paixão
Continua depois da publicidade

Para ele, não há melhor espaço em casa, na quarentena, que a cozinha.

Se as pessoas veem que o chef da televisão 'faz a comida igual a da minha casa', elas passam a valorizar essa comida. Elas têm de ter orgulho dela.
Leo Paixão

Na televisão

Leo se diz ansioso pela terceira temporada de "O Mestre do Sabor", que estreia na noite de hoje. O programa, conta, é sua reciclagem profissional, o lugar onde aprende tanto com chefs que competem quanto com os colegas Claude Troisgros, João Batista, Kátia Barbosa e Rafa Costa e Silva.

Gastronomia é poder de transformação, mesmo com ingrediente simples. Como trabalhamos com profissionais, o público tem muito a ganhar. Eles aprendem muita coisa boa a se fazer.
Leo Paixão
Continua depois da publicidade

Ele afirma que as gravações, em meio à pandemia, tiveram cuidados específicos como testes de covid-19 constantes e restrições de circulação no estúdio, mas deu tudo certo.

Uma das melhores coisas do programa é que podemos levar entretenimento às casas das pessoas, além de conhecimento gastronômico, em um momento tão triste.
Leo Paixão
Reprodução/Instagram - Reprodução/Instagram
Leo Paixão abriu o restaurante Glouton, em 2013, e o Nicolau Bar da Esquina, em 2018
Imagem: Reprodução/Instagram

Gastronomia versus medicina

O chef, reconhecido por criar pratos igualmente rebuscados e saborosos, ao levar técnicas francesas à cozinha mineira, tem uma história curiosa com a gastronomia.

Ele começou a cozinhar quando criança, com o avô, um "cozinheiro de fim de semana talentoso", como ele define.

Era muito afeto e diversão. Eu lembro muito de a gente fazer massa. Vovô é cientista, é químico. Ele fazia cerveja em casa quando nem tinha essa história de cerveja artesanal.
Leo Paixão
Continua depois da publicidade
Reprodução/Instagram - Reprodução/Instagram
Leo Paixão quer promover a cozinha caseira de sua mãe e sua avó
Imagem: Reprodução/Instagram

Leo se formou no curso de medicina na Universidade Federal de Minas Gerais, em 2006, exerceu a profissão por pouco tempo e, em 2009, mudou-se para a França com o dinheiro que juntou, em busca do sonho maior de se tornar um grande chef.

Teve comoção na família, mas eu não conseguiria ficar sem cozinhar. Eu era obcecado e ficava o dia pensando nisso. Na faculdade, já fazia eventos em restaurantes e pousadas.
Leo Paixão

Ele se graduou na Escola Superior de Gastronomia Francesa (Ferrandi) e estagiou em renomados restaurantes franceses, como La Table, de Joel Robuchon, Hotel Balzac e Restaurante La Cape.

Reprodução/Glouton - Reprodução/Glouton
Leo Paixão é proprietário do renomado restaurante mineiro Glouton
Imagem: Reprodução/Glouton
Continua depois da publicidade

De volta ao Brasil, abriu o restaurante Glouton, em 2013, e o Nicolau Bar da Esquina, em 2018, com a ideia de realizar alta gastronomia baseada nos ingredientes e na tradição culinária de Minas Gerais.

Cozinha em casa

Casado com a médica pediatra Taís Civitarese, com quem tem os meninos João Pedro, 8 anos, e Lucas, 5, Leo diz que gosta de fazer, em casa, "coisas feitas com tempo e com tranquilidade, coisas em que o tempero está no fundo da panela".

O ápice da sofisticação é desenvolver sabor com pouco ingrediente. Não há nada como frango com quiabo feito no fundo da panela. O ingrediente principal é o tempo para caramelizar.
Leo Paixão
Reprodução/Instagram - Reprodução/Instagram
Leo e os filhos, João Pedro e Lucas
Imagem: Reprodução/Instagram

Ele diz que ficaria feliz com qualquer profissão escolhida pelos filhos, mas antevê que o mais novo, Lucas, deve seguir os caminhos da gastronomia.

Mesmo com 5 anos, o menino acorda sozinho para fazer biscoito. Ele acompanha o pai, adora as cozinhas dos restaurantes e chora quando tem que ir embora.

Continua depois da publicidade
Seria legal ele seguir pela gastronomia. Tudo o que eu e minha família temos saiu das panelas. A cozinha foi muito boa para mim. Todo o sacrifício que fiz recompensou cem vezes.
Leo Paixão