PUBLICIDADE
Topo

Hoje estrela no YouTube, Bruno Correa foi salvo e 'adotado' por Felipe Neto

Bruno Correa e Felipe Neto são queridos no YouTube
Bruno Correa e Felipe Neto são queridos no YouTube
reprodução/YouTube Felipe Neto

Ana Carolina Silva

De Splash, em São Paulo

03/05/2021 04h00

Quem conhece Bruno Correa no YouTube agora, com sete milhões de inscritos e milhões de visualizações semanais, nem imagina o que o rapaz já passou. Dá para dizer que ele foi "do lixo ao luxo" com muito esforço para aproveitar as chances dadas por Felipe Neto, que praticamente o "adotou".

Aos 31 anos, Bruno conversou com exclusividade com Splash sobre a trajetória que o trouxe até aqui. Ele teve sua vida "salva" quando Felipe o levou para morar com ele em 2017, mas, hoje, tem sua própria casa gigante e emprega 10 pessoas. A ideia é ajudar os outros como foi ajudado um dia.

Continua depois da publicidade
Antes, era eu sozinho e é isso aí. Mas o trabalho, a equipe, o Felipe... Eles mudaram a minha vida em todos os quesitos. Com eles e a Mirela, minha namorada, construí uma família.
Bruno Correa em entrevista a Splash
reprodução/Instagram @eibrunocorrea - reprodução/Instagram @eibrunocorrea
Bruno é gamer, mas seu canal principal é focado em entretenimento de modo geral
Imagem: reprodução/Instagram @eibrunocorrea

Bruno passou anos de sua infância na Alemanha com a mãe, com quem não se dava bem; ele diz ter sido praticamente "abandonado" por ela quando decidiu voltar a morar com o pai no Brasil. Mas a volta ao Rio de Janeiro foi conturbada, com direito a tiro no ombro e uma vida de incerteza.

O ditado "vender o almoço para pagar a janta" resume a situação de Bruno há alguns anos.

Mas ele, que é apaixonado por games, viu o jogo de sua vida virar quando se aproximou de Felipe Neto no evento Nerd Rio, em 2012, e ganhou um emprego:

Foi a melhor coisa que poderia ter acontecido na minha vida.

reprodução/Instagram @eibrunocorrea - reprodução/Instagram @eibrunocorrea
Bruno Correa e Felipe Neto trabalham juntos e têm uma amizade cheia de gratidão
Imagem: reprodução/Instagram @eibrunocorrea
Continua depois da publicidade

Em 2017, a mudança de Felipe e Luccas Neto para a mansão conhecida como "Netoland" incluiu uma "área secreta". Ali ficava uma edícula que mais parecia um apartamento e deu a Bruno dignidade para construir seu caminho, desta vez com a certeza de ter onde dormir no dia seguinte.

Antes de morar com o Felipe, eu vivia um mês após o outro. A partir desse momento, eu não teria mais que me preocupar com aluguel. E eu teria um emprego! Mudou a minha vida.
Bruno Correa em entrevista a Splash

Apesar do sucesso com seu próprio canal, Bruno ainda é funcionário de Felipe e trabalha como diretor-geral do canal do amigo. Isso significa que a equipe conhecida como "Netolab", cheia de roteiristas, editores e produtores, é gerenciada por ele.

Enquanto eu for importante, enquanto o Felipe precisar de mim, estarei do lado dele. Não importa se o meu canal chegar a 50 milhões de inscritos. Eu quero ajudar quem me ajudou.
Bruno Correa em entrevista a Splash
Continua depois da publicidade

A gratidão é recíproca, apesar de Felipe ser muito mais discreto com seus sentimentos:

Bruno é como o motor do meu canal. Um carro não existe sem o motor. É meu grande amigo e meu grande alvo de zoação. Hoje não daria para existir sem o Bruno. - Felipe Neto em seu livro "A vida por trás das câmeras".

reprodução/Instagram @eibrunocorrea - reprodução/Instagram @eibrunocorrea
Felipe Neto começou a trabalhar com Bruno Correa em 2012, na Paramaker
Imagem: reprodução/Instagram @eibrunocorrea

Muita responsabilidade para alguém que no passado teve de doar o cachorro para um amigo, já que não tinha como viver com o labrador no espaço em que morava.

O bichinho amado já voltou a viver com Bruno, fique tranquilo! Hoje, ele mora em uma casa enorme.

Toda essa gratidão ao Felipe já fez Bruno ser criticado por outros youtubers.

Ele já foi chamado de "lacaio do Felipe Neto" por alguns influenciadores. É nítido que a ofensa destas pessoas o chateia por dois motivos:

  1. Felipe foi quem o ajudou, não eles;
  2. Bruno trabalhou muito para aproveitar a chance.
Continua depois da publicidade
Quando você está mal, esquecem de você. Os mesmos que me chamavam de lacaio do Felipe, diziam que eu me vendi, não me estenderam a mão quando eu mais precisei. Então deixa falarem.
Bruno Correa em entrevista a Splash
reprodução/instagram @eibrunocorrea - reprodução/instagram @eibrunocorrea
O youtuber Bruno Correa começou a produzir conteúdo para a internet em 2011
Imagem: reprodução/instagram @eibrunocorrea

O diretor de um canal com 41 milhões de fãs —e dono de outro com sete milhões de inscritos— sabe muito sobre YouTube. Bruno está nessa aventura desde 2011 e faz parte da minoria que conseguiu vencer na plataforma.

Quer dicas para ser youtuber? Ele dá.

Dedicar-se ao canal como se fosse uma empresa. Tarefas, horário, prazos. Se levar o YouTube como hobby (e pode fazer isso), sugiro que não conte como sua fonte de renda principal.
Bruno Correa em entrevista a Splash