PUBLICIDADE
Topo

Primeiro campeão do 'The Voice+', Zé Alexanddre defende vozes 'esquecidas'

Zé Alexanddre foi o campeão da primeira temporada do reality The Voice+
Zé Alexanddre foi o campeão da primeira temporada do reality The Voice+
João Miguel Júnior-4.abr.2021/Globo

Renata Nogueira

De Splash, em São Paulo

09/04/2021 04h00

Zé Alexanddre, do time Cláudia Leitte, sagrou-se campeão do "The Voice+" no último domingo. Vencedor da primeira edição do programa dedicada aos talentos com mais de 60 anos, o cantor, de 63, se destacou pela voz versátil que também fez sucesso em 1979 ao lado de Oswaldo Montenegro, com "Bandolins".

O Oswaldo fez essa música para eu cantar com ele no festival da TV Tupi. A música é dele, mas quem começa a cantar sou eu, ele entra na segunda voz. Foi um presente que eu ganhei.
Zé Alexanddre
Continua depois da publicidade

É claro que, quem já conhecia Zé Alexanddre, ficou esperando o momento de ele cantar "Bandolins" no programa, o que não rolou. O cantor disse que as pessoas o questionaram sobre a música, e muita gente especulou que ele estava guardando para a final. Mas a verdade é que Zé nem cogitou cantá-la.

Seria voltar a 1979. Tenho que honrar os novos tempos. Não que eu não goste [da música]. Adoro e sempre canto. 'Bandolins' definiu meu futuro. Mas seria um repeteco.

Curiosamente, Zé Alexanddre nem conhecia a música que marcaria a sua trajetória no "The Voice+". Foi com "You Give me Something" que ele virou as quatro cadeiras e fechou o programa no último domingo. O hit de James Morrison de 2006 foi apresentado a ele pelo produtor musical Torcuato Mariano.

Continua depois da publicidade
O mais moderno que eu conhecia era dos anos 1980. Mas, quando o Torcuato me mostrou ['You Give Me Something'], eu achei fantástica. Aprendi a música e trouxe para o meu universo.

Novos rumos

Em time que está ganhando não se mexe, e Zé quis seguir investindo em canções com pegadas de soul e blues. Brilhou na versão masculina de "(You Make me Feel Like) A Natural Woman", sucesso na voz de Aretha Franklin, e ousou mais uma vez na final com "Somebody to Love", do Queen.

É essa também a pegada que o próximo disco de Zé Alexanddre deve ter. O cantor ganhou R$ 250 mil e um contrato com a Universal Music, mas com a vitória tão recente ainda não definiu com seu novo time como será o trabalho. Ideias, porém, não faltam. Ele quer investir no lado intérprete.

Tenho uma veia de compositor, gosto muito de compor e fazer arranjos. Mas o que salta na minha frente é o lance do intérprete. É cantando que me sinto mais pleno.
Continua depois da publicidade

A voz é mesmo a maior potência de Zé Alexanddre, que discorda dos comentários de que seria injusto dar espaço para quem já brilhou no passado no "The Voice". A discussão sobre famosos x anônimos, que ressurge a cada edição do programa, é "uma grande bobagem", na opinião do cantor.

Reprodução/Instagram - Reprodução/Instagram
Imagem: Reprodução/Instagram
O Brasil é um país de eternos anônimos. Um país com essa dimensão, com a pluralidade cultural que tem, se você colocar 15, 20 ícones da música do passado é muito.

Citando Gilberto Gil, Caetano Veloso, Roberto Carlos, Chico Buarque e outros ídolos que surgiram há muitas décadas e seguem em alta, Zé relembra também de companheiros que, em "um ato de extrema coragem", tiveram nova chance no "The Voice+": Dudu França, Claudya, Ronaldo Barcellos e Oscar Henriques.

A pessoa que fez sucesso há 30, 40, 50 anos já teve sua chance e vai para a vala? O que tem que priorizar é dar chance à voz. A voz é um belíssimo instrumento.
Continua depois da publicidade
Reprodução/Globo - Reprodução/Globo
Imagem: Reprodução/Globo

Novo nome artístico

Se você procurar por Zé Alexanddre no streaming, vai encontrar o nome do artista com apenas um "D", e não dois. A mudança segue uma orientação que ele recebeu do numerólogo Marcio Mussel, em fevereiro de 2020. No fim daquele mesmo ano, ele já era um dos selecionados para o programa e levou o troféu.

Acredito nessas forças que a gente não consegue ver. Fiz um mapa e foi sugerido que eu colocasse dois Ds no nome. Mergulhei de cabeça e, de lá para cá, olha tudo o que aconteceu.