PUBLICIDADE
Topo

OPINIÃO

Texto em que o autor apresenta e defende suas ideias e opiniões, a partir da interpretação de fatos e dados.

Semelhança do cabelo crespo de João é com coroa

BBB 21: João Luiz ouviu que cabelo dele era parecido com peruca de homens das cavernas - Reprodução / Globoplay
BBB 21: João Luiz ouviu que cabelo dele era parecido com peruca de homens das cavernas Imagem: Reprodução / Globoplay

Pedro Ezequiel

De Splash, em São Paulo

06/04/2021 14h33Atualizada em 06/04/2021 14h35

Que cabelo ruim, melhor cortar

Um zumbido atrás da orelha, coceira no pescoço e o mesmo semblante no espelho: cabelo raspado. Foram 16 anos passando pelo ritual de sempre na cadeira do cabeleireiro. Enquanto alguns cortavam com tesoura e faziam penteados e topetes, para mim sobrava o pente um, dois ou mesmo passar a zero.

Hoje tenho 21 anos. Quem me vê, logo me reconhece pelo crespo rebelde, sem definição e que gosta do volume. Fico feliz em ser minha marca. Mais ainda por entender o significado: black power dos Panteras Negras, de Elza Soares em "A Carne", de Tony Tornado na "BR-3", de Tim Maia, de Emicida, de Leci Brandão, de Negra Li, de Taís Araújo, de alguém que lá atrás fez da rebeldia uma essência. Coisa que alguns homens só passaram a descobrir durante a pandemia de coronavírus.

Elza Soares - Divulgação - Divulgação
Elza Soares
Imagem: Divulgação

Nasci em 2000, virada do século. Na adolescência já tive consciência que ser negro no Brasil implicava em questões mal resolvidas desde 1500 e 1888. Não era só por um "não faz meu tipo" que eu deixava de ser o preferido nas descobertas amorosas com meninos e meninas. E não era só por praticidade que sempre era aconselhado a raspar meu cabelo. Não era por coincidência mais de 75% dos 10% mais pobres serem negros.

Lembro de agosto de 2016 quando um primo meu perguntou: 'não quer deixar crescer? Tem uma esponja que enrola, faz nudred'. E ali me descobri: tinha um cabelo. Ruim? Não, 'bonzão'!.

E com nome e sobrenomes: 'Prazer! Crespo tipo 2ABC, 3ABC, 4ABC...'

João Luiz - Reprodução/Globoplay - Reprodução/Globoplay
BBB 21: João Luiz desabafou que fala de Rodolffo o atingiu
Imagem: Reprodução/Globoplay

Só que não é "de ontem para hoje que ser preto virou legal", como diz a letra da música "Bang" e da realidade. Experimentei na pele uma outra forma de racismo: as piadas e brincadeiras. Ouvi aquela comparação que a Ludmilla ouviu, vi gente pedindo para eu fazer uma hidratação, pentear o cabelo, paqueras e amigos com vergonha de postar foto comigo, gente na rua pedindo para tocar, outras para alisar porque seria mais fácil de arrumar um emprego.

Do corte para a descoberta da estética. No meio desse caminho não faltou racismo, insegurança e traumas. Mas cruzei e hoje me orgulho de carregar um black power. Só que dói ver um reality show com um homem comparando esse cabelo, com história de resistência, respeito e autoafirmação, com algo primitivo, em mau estado, sem cuidado, das cavernas. E dói mais ainda ver João Luiz chorar. Uma dor que vem de cativeiro, de anos de escravatura, de não ser lido como ser humano e ter direitos básicos negados, como o acesso a educação. Não era simples mágoa, caro apresentador.

Parece que ouvi a mesma maquininha sem pente passando pela minha cabeça. Os mesmos comentários, os mesmos olhares de desaprovação na escola, nas lojas — com um segurança atrás —, na família. Arrancam nosso cabelo com nossas raízes a cada piada. Até mesmo o direito a dor é questionado: "por que ele não explicou?"

Maju Coutinho, na TV diariamente com um cabelo black power, já disse que não é obrigação ser "Wikipreta" para explicar quando é racismo ou não. João é professor, mas o especialista em racismo é o branco, que define ele mesmo como padrão e condena o outro com o riso.

Se Rodolffo está em desconstrução porque sua criação no interior foi "bruta", que ele se esforce para isso. Afinal, não é o que todo negro tem que ouvir quando mostra uma situação de desigualdade? Rodolffo é cantor sertanejo no país em que mais de 54% da população é preta e parda. Pôde sair da sua cidade para fazer shows em países da Europa em 2017. Mas ainda achou sem maldade comparar o cabelo crespo. Disse depois que o seu também era, como se recuperasse a autoestima de João ou mostrasse que não foi racista.

Um ano antes, quando sua ex-namorada Rafa Kalimann ficou em terceiro lugar no BBB, Rodolffo poderia ter refletido com Babu: o black power é uma coroa, com o pente garfo abrindo caminhos de liberdade. Demorei 16 anos para ver minha realeza e libertar cada ferida e cada fio ao puxar o volume com meu garfo. Espero que não demore mais nenhuma edição de BBB ou nenhuma adolescência de um jovem negro para o Brasil branco, elitista e privilegiado entender algo: respeitem os nossos cabelos crespos.

** Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do UOL