PUBLICIDADE
Topo

Rita Ora sobre conhecer Madonna: 'Pediu para que eu me ajoelhasse'

Rita Ora relembra momento em que conheceu Madonna - Imagem: Reprodução/Instagram@ritaora @madonna
Rita Ora relembra momento em que conheceu Madonna Imagem: Imagem: Reprodução/Instagram@ritaora @madonna

Colaboração para o Splash, em São Paulo

04/03/2021 09h46

Na terça-feira (2), Rita Ora participou do talk show de Jimmy Fallon e por lá, ela revelou como foi o momento em que conheceu Madonna. O que deixou a todos confusos foi uma atitude um tanto quanto estranha e inusitada que a Rainha do Pop teve ao se encontrar com a cantora de 30 anos.

"O destaque da minha vida é obviamente a Madonna, que é um dos maiores ícones de todos os tempos. Tive um momento incrível com ela. Foi muito estranho, mas também foi muito inacreditável", iniciou.

Rita disse que conheceu Madonna logo no início da sua carreira, quando ela participou da campanha publicitária de uma linha de roupas da estrela de 62 anos:

"Ela realmente me fez encontrar minha luz. E ao fazer isso, precisamos nos ajoelhar no chão. E eu pensei que era como se [a música] 'Like a Prayer' estivesse acontecendo comigo, na vida real", brincou.

'Like a Prayer' fala de uma jovem que está apaixonada por Deus. A música gospel, que foi lançada em 1989, ficou no topo do ranking Billboard Hot 100 e se tornou um dos maiores sucessos da carreira de Madonna.

Durante a entrevista, Rita Ora confessou que chegou a passar mal antes de encontrá-la:

"Digo, eu tive que ir para o banheiro para conseguir respirar antes de vê-la", contou.

"Então ela veio e eu amei, mas não conseguia respirar. E ela ficou tipo: 'Essa não é a minha luz. Vamos nos abaixar'. E eu pensei: 'Oi? O que está acontecendo?'. E assim fizemos. O quer que ela diga, nos fazemos", relembrou Ora, ao dizer que Madonna pediu para que ela se ajoelhasse.

Fallon então, respondeu: "Digo, bom, ela é a Madonna. É a única, cara", brincou ele.

Errata: o texto foi atualizado
Diferentemente do informado, o single 'Like a Prayer' foi lançando em 1989, e não 1998. A informação já foi corrigida.