PUBLICIDADE
Topo

Um dos destaques do Globo de Ouro, 'Ted Lasso' nasceu de um comercial de TV

Cena de Ted Lasso, série do Apple TV+
Cena de Ted Lasso, série do Apple TV+
Divulgação

Paulo Velho

Colaboração para Splash, de São Paulo

28/02/2021 23h28

"Ted Lasso" pode ser considerada série "escondida" no catálogo no AppleTV+. A comédia rendeu na noite de hoje o Globo de Ouro de melhor ator em comédia ou musical a Jason Sudeikis.

E em tempos de séries baseadas em algoritmos, threads de Twitter, brinquedos e jogos de tabuleiro —além dos tradicionais livros, filmes, HQs e histórias reais—, "Ted Lasso" chama atenção pelo seu surgimento.

Continua depois da publicidade

Um comercial de televisão.

Dada a origem peculiar, a qualidade da série surpreende. Rendendo duas indicações ao Globo de Ouro para a AppleTV+ (as únicas da companhia em 2021), "Ted Lasso" foi sucesso de crítica, com nota 8.7 no IMDb e atingiu 90% no Rotten Tomatoes, famoso agregador de críticas e ótimo termômetro.

Na opinião popular, ela chega a 98%, quase um Nego Di, do "BBB", às avessas.

Em 2013, o canal NBC transmitiria as partidas da liga inglesa de futebol nos EUA. E sabemos que o nosso futebol não é um esporte muito popular por lá —entre as coisas que os norte-americanos em geral odeiam estão placares baixos, empates, poucos comerciais, geografia básica e línguas estrangeiras.

Para ganhar a simpatia do público, a saída encontrada foi? a boa e velha zoeira. E para zoar não só esporte como os bretões, a NBC —um dos principais canais abertos dos EUA— chamou o ator Jason Sudeikis e um time de publicitários estrelados para produzir uma campanha.

Continua depois da publicidade

O resultado ficou tão bom que ganhou até uma continuação

Carinho da torcida

Tanto na propaganda quanto na série, Sudeikis vive Ted Lasso, técnico de futebol americano que vai para Londres treinar um time de futebol-futebol. E não só isso. Um time de Premier League, o Richmond FC.

A premissa é simples e não é lá tão original —lançada na mesma época, "Emily em Paris", da Netflix, parte de princípios semelhantes, e teve boa audiência. Ambas disputaram o Globo de Ouro de melhor série cômica e seus protagonistas também foram indicados.

Aliás, Jason Sudeikis está brilhante em "Ted Lasso", como vem fazendo desde os tempos de "SNL".

Ted é de uma leveza adorável, tanto que passamos pano para sua ignorância em relação ao futebol. Sabemos como é fácil odiar um técnico (basta torcer para um time), então é um grande mérito que ele consiga gerar empatia a ponto de concordarmos que ele é um idiota, mas ainda assim torcer por ele.

Continua depois da publicidade

Sem bobo no futebol?

Os personagens que orbitam ao redor de Lasso também se destacam. Há um auxiliar técnico chamado apenas de "Barba", a presidente do time que quer se vingar do ex, o roupeiro invisibilizado, alguns jogadores egocêntricos e até uma maria-chuteira.

Todos esses personagens (com destaque para a Keeley, de Juno Temple, o Roy Kent, de Brett Goldstein e o Jamie Tartt, de Phil Dunster), não só têm suas personalidades bem trabalhadas, como também apresentam arcos completos, de crescimento e redenção —algo raro numa primeira temporada de série.

Isso gera momentos de profunda sensibilidade que já estão se tornando padrão das sitcoms modernas. E não só o roteiro e a atuação são bons, como também a série é bem engraçada (e, convenhamos, vivemos num mundo em que "Orange is the New Black" e "Transparent" foram consideradas comédias).

Continua depois da publicidade

As piadas com futebol (dos dois tipos) e com as diferenças culturais entre EUA e Inglaterra são constantes nos primeiros episódios, mas vão rareando conforme a série avança, uma vez que o protagonista tende a se acostumar com o esporte e com sua mudança de vida.

Mas a série nunca perde a linha: as piadas estão incrustadas em ótimos diálogos, sem soarem gratuitas. O humor aparece de forma tão natural que honram o melhor do humor britânico, com ecos da obra de Armando Iannucci, o criador (escocês) de "Veep" e de "The Thick of It".

Com um roteiro afiado, personagens cativantes, um tema simples e atores em suas melhores formas, a série só não leva a nota máxima por um defeito gritante aos olhos de pessoas tão habituadas ao esporte bretão como nós, brasileiros:

As cenas de futebol são péssimas. Horrendas. Ridiculamente feias.