PUBLICIDADE
Topo

Atriz de 'Matilda' sobre sexualização que sofreu: 'Me senti envergonhada'

Colaboração para o Splash, em São Paulo

23/02/2021 21h12

Mara Wilson estrelou o filme 'Matilda' quando tinha 10 anos, e desabafou sobre o preço de ser uma estrela mirim numa coluna para o 'The New York Times'.

A atriz, hoje com 33 anos, contou sobre seu esforço pessoal em não ser sexualizada pela mídia, sem obter nenhuma ajuda. "Eu vi muitas cantoras e atrizes adolescentes abraçando sua sexualidade como um rito de passagem, aparecendo nas capas de revistas masculinas ou provocantes num clipe musical. Esta jamais seria eu, decidi. Eu já tinha sido sexualizada de qualquer forma, e odiei", disse Mara.

A estrela disse que sentiu que, como muitas outras estrelas mirins - como Judy Garland, Drew Barrymore e Britney Spears -, merecia a crítica cruel e o escrutíneo com que a mídia as tratava. Apesar de escolher na maioria das vezes filmes 'familiares', Mara ainda era sexualizada e recebia perguntas indiscretas de repórteres.

"Eu atuei na maioria das vezes em filmes familiares - como o remake do 'Milagre da rua 34', 'Matilda', 'Uma Babá Quase Perfeita'. Nunca apareci em nada mais revelador do que um vestido que batia abaixo do joelho. Isso tudo foi intencional. Meus pais pensaram que eu estaria a salvo. Não adiantou", disse Mara. "Era fofo quando meninos de 10 anos me mandavam cartas dizendo que estavam apaixonados por mim. Não era fofo quando homens de 50 anos faziam o mesmo", continuou no desabafo.

Ela ainda deu fortes testemunhos sobre o que passou: "Antes que eu tivesse 12 anos, minha imagem já estava em sites de fetiches por pés e photoshoppado em pornô infantil. Todas as vezes, me senti envergonhada".

Mara ainda falou que a indústria está avançando, mas não tanto no olhar dela. "Hollywood resolveu enfrentar os problemas de assédio na indústria, mas eu nunca fui assediada num set de filmagem. Meu assédio sexual sempre veio das mãos da mídia e do público", disse a atriz.

Ela contou que, ao assistir o documentário de Britney Spears, conseguiu se relacionar às histórias. "Muitos momentos da vida da Sra. Spears me eram familiares. Ambas tivemos bonecas nossas à venda, tivemos amigos próximos e namorados revelando nossos segredos, e tivemos homens crescidos comentando nossa imagem", disse Mara, que continuou comparando a vida das duas estrelas: "Mas minha vida foi mais fácil não só porque eu não era famosa no nível que os tabloides queriam, mas porque sempre tive apoio familiar", completou.

Hoje, Mara está desbravando seu próprio caminho. Ela concluiu a coluna dizendo: "A Narrativa não é mais uma história que outra pessoa está escrevendo. Posso escrevê-la eu mesma".