PUBLICIDADE
Topo

Estudo: Mulheres dirigiram número recorde de filmes de Hollywood em 2020

Cena de "Aves de Rapina", dirigido por Cathy Yan - Divulgação
Cena de 'Aves de Rapina', dirigido por Cathy Yan Imagem: Divulgação

De Splash, em São Paulo

02/01/2021 12h03

Mulheres dirigiram 16 dos 100 filmes de maior bilheteria de 2020 nos EUA, indicou um estudo da Universidade de San Diego repercutido hoje pela Variety.

A porcentagem é a maior já registrada pelo estudo, que é lançado anualmente há mais de duas décadas. Em 2019, mulheres dirigiram 12% dos filmes mais lucrativos do ano, e em 2018 foram só 4%.

Cena de 'Mulher-Maravilha 1984' - Divulgação - Divulgação
Cena de 'Mulher-Maravilha 1984', dirigido por Patty Jenkins
Imagem: Divulgação

Um 2021 ainda melhor?

Os coordenadores do estudo na Universidade de San Diego apontaram que o resultado foi conseguido mesmo com o adiamento de vários títulos importantes que serão dirigidos por mulheres, como "Os Eternos" (de Chloé Zhao) e "Viúva Negra" (de Cate Shortland"), para 2021.

Cena de 'Viúva Negra' - Reprodução/YouTube - Reprodução/YouTube
Cena de 'Viúva Negra', dirigido por Cate Shortland
Imagem: Reprodução/YouTube

Além da direção

Apesar do crescimento da participação de mulheres como diretoras em Hollywood, outras áreas dos bastidores não viram a mesma melhoria. As mulheres foram 28% das produtoras, 21% das produtoras executivas, 18% das editoras, 12% das roteiristas e 3% das diretoras de fotografia nos filmes americanos de 2020.

Cena de 'Mulan' - Divulgação - Divulgação
Cena de 'Mulan', dirigido por Niki Caro
Imagem: Divulgação

A maioria desses índices se manteve inalterado desde o ano passado, mas número de roteiristas mulheres teve uma piora especialmente notável, caindo 8% de 2019 para 2020. Já o número de editoras caiu 5%.

A boa notícia é que tivemos dois anos consecutivos de aumento no número de mulheres que dirigem. Isso quebra um padrão histórico em que os números cresciam em um ano, e caíam no ano seguinte. A má notícia é que 80% dos filmes mais lucrativos do país não tiveram nenhuma mulher em posição de liderança."
Dra. Martha Lauzen, coordenadora do estudo na Universidade de San Diego

Que esses números só melhorem a cada ano!