PUBLICIDADE
Topo

Robozão: conheça a história do robô dançante que faz sucesso no Tiktok

Robozão ganhou mais de 288 mil seguidores no TikTok - Reprodução/Instagram
Robozão ganhou mais de 288 mil seguidores no TikTok Imagem: Reprodução/Instagram

Heloísa Barrense

Colaboração para o UOL, em São Paulo

09/11/2020 08h00

As coreografias na internet já não são mais a mesmas. Com mais de 288 mil seguidores no Tiktok, um personagem inusitado chamado Robozão tem atraído atenção de diversas pessoas ao redor do Brasil e do mundo com seu gingado e exuberância.

Idealizado por Lei Almeida, o personagem conquistou diversos públicos e não tem preconceitos para requebrar o esqueleto - ou melhor, a maquinaria - quando o assunto é música.

"O Robozão é um personagem que me acompanha a vida inteira", conta Almeida ao UOL.

Nascido em Itatim, interior da Bahia, o atual designer industrial passou a sua infância desenhando e idealizando o personagem robótico. "Eu tinha acesso a história de quadrinhos, às séries de TV japonesas, com robôs gigantes e isso foi me inspirando a criar os meus próprios."

Foi então que nasceu o Robozão. "Eu imaginava que era meu amigo imaginário, aquele que sempre estaria ali para me ajudar."

O personagem foi ganhando cada vez mais formato e acabou tornando-se um herói das histórias em quadrinhos que eram vendidas pelas ruas de Itatim pelo jovem. A chegada do vestibular, entretanto, fez com que estas aventuras ficassem engavetadas enquanto Lei Almeida se dedicava na sua carreira.

O designer atuou com diversos projetos durante os anos seguintes, tendo a banda Asa de Águia como um dos clientes em seu currículo. Entretanto, para ele, parecia que ainda faltava um ingrediente para completar a sua realização profissional.

"Eu queria algo que contagiasse as pessoas, que pudesse tocar a fundo elas. Eu já sabia como funcionavam as músicas na Bahia e numa dessas divagações eu lembrei desse personagem de quando eu era pequeno. Então, eu retomei os desenhos e comecei a atualizá-lo", diz.

Foram cerca de cinco anos estudando a parte técnica do Robozão e como possibilitar movimentos com um gingado especial. Almeida afirmou que, na época, fez diversas parceiras com engenheiros e que financiou a construção do protótipo do próprio bolso.

"Eu larguei tudo na vida para me dedicar a esse personagem. Algo me dizia que ele ia dar certo", conta o artista, que atualmente se dedica exclusivamente a organizar a agenda do Robozão.

O grande boom do personagem aconteceu em 2009, durante o carnaval de Salvador. Lei Almeida levou o amigo mecânico para o camarote do atual Planeta Band. "Eu vi que ele era muito poderoso ali."

De acordo com ele, o robô fez muito sucesso com os foliões e inclusive os trios elétricos que passavam pela avenida paravam para observar a festa do Robozão. "Até a Ivete Sangalo parou para ver", recorda.

De lá pra cá, Robozão rodou o Brasil e o mundo. Hoje, Lei Almeida possui 15 robôs que garantem a festa em qualquer lugar que seja. "Desde 2009 a gente não para. A gente só parou na pandemia", conta.

Uma das réplicas já cruzou o oceano e está na Itália, onde participou de um programa de competição de dança na televisão.

Mas as viagens de Robozão não param por aí. De acordo com Lei Almeida, há conversas com o time de futebol da Arábia Saudita Al Hilal para que o grandão se torne mascote da equipe. A estreia do robô brasileiro em campo, entretanto, não é novidade, já que ele marcou presença no gramado quando representou o Esporte Clube Bahia em 2016.

Além dos campos de futebol, Robozão também pretende subir aos palcos. "Vou criando novidades e outras possibilidades com ele. Atualmente tem um show, com dançarinos e repertório próprio", conta Almeida, que estreou o projeto em live há duas semanas. As composições serão próprias e deverão misturar o pagodão baiano com funk e música eletrônica.

Mas afinal, o Robozão é só um robô mesmo?

A malemolência de Robozão levantou diversas dúvidas nas redes sociais. De acordo com alguns usuários, existe uma "lenda urbana" que, na verdade, o robô seja movido por um humano que dançaria por dentro da maquiaria.

"Essa é aquela pergunta de um milhão de dólares que nunca vai ser respondida. É como um mágico que, se de repente ele contar detalhes perde a graça. Então a gente mantém essa magia eternamente", diz Almeida.

Apesar da dúvida rondar o Robozão, o carinho dos fãs extrapolou as expectativas de Almeida, que contou que foi graças ao sucesso do personagem ao redor do mundo que hoje sabe falar inglês e espanhol fluentemente.

"Um carinho incrível que me deixa extremamente feliz. Vejo como existe uma carência geral das pessoas por este tipo de atração. Elas estão em busca de felicidade, carinho, afeto e Robozão proporciona tudo isso", reflete.

As redes sociais também têm sido uma ótima ferramenta para garantir a comunicação entre o personagem e os fãs. "A internet é o que manteve e mantem ele vivo. A pessoas assistem, fazem toda uma movimentação, buscam contratações por meio das redes... Eu fico muito feliz com isso, é como se fosse um filho."

Atualmente, os fãs podem se aproximar de Robozão com a sua versão miniatura que está à venda na internet em uma campanha de Lei Almeida para arrecadar fundos para o Hospital Martagão Gesteira, em Salvador.