PUBLICIDADE
Topo

Criadores de 'Bom Dia, Verônica' pensam em crimes e assassinos até na praia

Raphael Montes e Ilana Casoy são os autores de "Bom Dia, Verônica" (livro e série)
Raphael Montes e Ilana Casoy são os autores de "Bom Dia, Verônica" (livro e série)
divulgação/Netflix

Ana Carolina Silva

De Splash, em São Paulo

05/10/2020 12h00

Ilana Casoy e Raphael Montes são assustadoramente brilhantes. A dupla escreveu o livro e a série "Bom Dia, Verônica", da Netflix, que conta uma história pesada com crimes macabros. Vai saber como funciona a cabeça desses dois, né? Splash tentou descobrir.

A gente pensa toda hora. Eu e o Rapha matamos vários por dia! Às vezes, tem uma pessoa que te irrita muito e você fala: 'Nossa, quero matar'. Aí você não mata, mas mata no livro. Ou a gente está na rede, no campo, no mar, na praia... É bem doido. Criar thriller não é uma tarefa fácil.

- Ilana Casoy

Continua depois da publicidade

Ave, Maria!

Escrever um roteiro como esse pode trazer situações constrangedoras. Um produtor da Netflix ligou para avisar que alguma coisa teria de ser diferente, e Rapha, que estava fazendo esteira na academia, ficou indignado e disse que alguém precisava morrer de tal forma.

A pessoa que estava do meu lado na esteira olhou para mim chocada, como assim 'tem que morrer'? A gente vive nesse universo imaginário que é muito real.

- Raphael Montes

raphael montes e ilana casoy - SUZANNA TIERIE/NETFLIX - SUZANNA TIERIE/NETFLIX
Raphael Montes e Ilana Casoy são os autores de "Bom Dia, Verônica" (livro e série)
Imagem: SUZANNA TIERIE/NETFLIX

Mas calma, gente! Os dois não são facínoras doidos e sanguinários.

Aliás, mesmo nas histórias que escrevem, Ilana e Raphael usam o crime, o suspense e a violência como instrumentos que podem causar reflexão —e isso está presente em "Bom Dia, Verônica", já que o vilão é um serial killer machista.

Continua depois da publicidade

Não é uma violência para o entretenimento, ela tem o objetivo de causar uma reflexão, de se aprofundar nesse assunto e mostrar como é esse processo. Tanto para a vítima, para a polícia, para o vizinho... A gente não gosta da violência com objetivo de entreter. O nosso objetivo é fazer pensar.

- Ilana

Quem conta histórias tem de ser apaixonado por observar o outro. A maior felicidade da minha carreira foi entender a potência que as histórias têm de transformar, denunciar, cutucar feridas e causar reflexões. O que nos interessa é o lado humano. Não é uma violência gratuita para chocar.

- Raphael