PUBLICIDADE
Topo

70 anos de TV

A história da televisão no Brasil


70 anos da TV no Brasil: 1ª década foi de aventura, improviso e paixão

O dia 18 de setembro entrou para a história brasileira como a data da primeira transmissão da TV Tupi - Shutterstock
O dia 18 de setembro entrou para a história brasileira como a data da primeira transmissão da TV Tupi Imagem: Shutterstock

Da Agência Brasil

18/09/2020 11h34

Antes das luzes se acenderem e as câmeras ocuparem o estúdio, a ansiedade tomou conta. Será que aquilo iria dar certo? Experiência, os profissionais tinham de rádio. Agora, a novidade era outra. Não bastariam os sons. As imagens também seriam transmitidas ao vivo, um desafio que deixava artistas, apresentadores, jornalistas e técnicos à beira de um ataque de nervos. Não daria, em tese, para cortar. Mas, começar de novo (quantas vezes fossem necessárias). Tudo com a luz ligada e o coração à boca, como revelam os documentos e pesquisadores da história da televisão no Brasil.

O dia 18 de setembro, uma segunda-feira, entrou para a história brasileira como a data da primeira transmissão da TV Tupi, de iniciativa do empresário Assis Chateaubriand (Chatô), em São Paulo. Setenta anos depois, a primeira década, uma era de experimentação, improviso e muita paixão, deixou um legado que excede o pioneirismo. Uma época de valorização da efervescência cultural que o país experimentava. Era a maior emoção daquele ano quando as três câmeras acenderam as luzes para as palavras do ator Walter Forster: "Está no ar a PRF-3-Tv Tupi de São Paulo, a primeira estação de televisão da América Latina".

Uma história diferente começaria ali naquela noite.

"Quando chega, a televisão tem a seu favor toda a infraestrutura das rádios que já existiam. Os funcionários também tinham a experiência de produção", afirma o professor Flávio Luiz Porto e Silva, pesquisador de história da televisão no Brasil. Ele explica que foi o amplo conhecimento dos profissionais de rádio que viabilizou a experiência da televisão no Brasil. Naquela noite e todos os outros dias que marcaram aquele início de experiência. "Eles vão aprender fazendo", afirma o pesquisador.

As novelas nessa década já eram queridinhas da audiência. Entre o final de 1951 e início do ano seguinte, " Sua vida me Pertence, com a galã Wálter Forster e a estrela Vida Alves deixou o público curioso em frente ao novo aparelho. "A telenovela, apesar de constante no ar desde 1951, não tinha a duração nem a importância popular das atuais", explica Edgard Amorim.

Nas artes, atores e cantores experimentaram a partir de 1952 um momento singular de profusão cultural. O programa TV de Vanguarda, na Tupi, estreou no dia 17 de agosto (um domingo), como aponta o professor Flávio Porto. "Era o maior de todos os programas de teatro, que ia ao ar às 21h sempre com atraso e se estendia por duas três horas e às vezes até avançava madrugada adentro. Este programa foi o grande laboratório da televisão", afirma o pesquisador. Ele explica que produções dos principais nomes da dramaturgia mundial eram encenados ao vivo pelos atores brasileiros, o que exigia uma performance e estudo inesgotável.

Os diretores inspiravam-se na estética cinematográfica para adequar o conteúdo. O diretor Cassiano Gabus Mendes foi um dos criadores junto com Dermeval Costa Lima. Dionísio Azevedo fazia também parte da direção de espetáculos de autores como Shakeaspeare e Dostoiévski. Em cena, o talento de atores como Bibi Ferreira, Vida Alves Fernanda Montenegro, Fernando Torres, Lima Duarte e Laura Cardoso. As imagens, claro, ainda em preto e branco carregaram novas cores ao público e à arte brasileira há 70 anos. A década deu um novo sentido ao "está no ar".