PUBLICIDADE
Topo

Roberto Sadovski

OPINIÃO

Texto em que o autor apresenta e defende suas ideias e opiniões, a partir da interpretação de fatos e dados.

Tom Cruise... ou a Russia: Quem deve ganhar a nova corrida espacial

Roberto Sadovski

Roberto Sadovski é jornalista e crítico de cinema. Por mais de uma década, comandou a revista sobre cinema "SET". Colaborou com a revista inglesa "Empire", além das nacionais "Playboy", "GQ", "Monet", "VIP", "BillBoard", "Lola" e "Contigo". Também dirigiu a redação da revista "Sexy" e escreveu o eBook "Cem Filmes Para Ver e Rever... Sempre".

Colunista do UOL

14/05/2021 18h21

Um ano depois de anunciar sua intenção em fazer o primeiro filme no espaço, Tom Cruise aparentemente vai perder essa corrida - e para um competir incomum. A Roscosmos, agência espacial russa, anunciou que vai sair na frente e rodar o primeiro longa na Estação Espacial Internacional.

A produção, que tem o título provisório "Challenge" (ou "desafio"), já colocou o ator Yulia Peresild e o diretor Klim Shipenko em treinamento para encarar a viagem espacial como verdadeiros cosmonautas. O cronograma de filmagens cravou a data de 5 de outubro para a dupla ascender até a estação espacial, com todo o treinamento registrado em um documentário a ser exibido no Channel One, principal canal de TV russo.

O filme, descrito como um "drama espacial" (mas por óbvio!), tem financiamento da própria Roscosmos e, além de colocar um pé na frente da concorrência ianque, tem por objetivo "popularizar as atividades espaciais da Rússia e glorificar a profissão de cosmonauta". Acho justo.

Coincidentemente as palavras espelham as declarações do diretor da NASA, Jim Bridenstine, que um ano atrás louvou a iniciativa de Cruise e Musk como "uma inspiração para uma nova geração de engenheiros e cientistas" que possam continuar a missão da agência espacial americana.

O projeto de Tom Cruise com a Space-X de Elon Musk foi descrito como um filme de ação e aventura, ao estilo "Missão Impossível" - mesmo deixando claro que não faria parte da série. Talvez uma hashtag mais adequada fosse #TomCruiseBrincandoComAMorte, já que o ator popularizou seus feitos no set de filmagem, indo além dos limites para dar ao público uma experiência nova.

Foi assim ao filmar do lado de fora de um avião em decolagem ou pilotando seu próprio helicóptero (como visto em dois "Missão Impossível"), fazendo piruetas em um avião que simula gravidade zero ("A Múmia") ou no cockpit de um caça de combate (nada me tira da cabeça que ele comandou seu jato no novo "Top Gun"). O espaço seria a proverbial "fronteira final" para o astro.

cruise missao - Paramount - Paramount
Para Tom Cruise, arriscar a vida em filmagens é rotina
Imagem: Paramount

Ele não contava, porém, com a astúcia de Putin e cia. A Rússia se colocou à frente dos Estados Unidos quando, em 1961, quando ainda era a União Soviética, fez de Iuri Gagarin o primeiro homem no espaço, anos antes de Neil Armstrong pisar na Lua. O interesse pela corrida espacial parece ter esquentado nos últimos anos com missões a Marte, e o simbolismo de bater os EUA na arena cultural de seu domínio - o cinema - deve ter sido absurdamente atraente.

Será que Tom Cruise conseguiria acelerar o relógio e chegar ao espaço antes dos Russos? Talvez ele tivesse a disposição, o entusiasmo e até mesmo o financiamento. Mas se tem uma coisa que o astro não consegue esticar é o tempo, e entre finalizar "Missão Impossível 7" e sair em turnê para o lançamento de "Top Gun: Maverick", sua agenda o manterá com os pés firmes na Terra muito depois de "Challenge" tomar forma no espaço.

** Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do UOL