PUBLICIDADE
Topo

Renata Corrêa

OPINIÃO

Texto em que o autor apresenta e defende suas ideias e opiniões, a partir da interpretação de fatos e dados.

Lara, a mocinha que não quer ter filhos

Lara e Mateus tem um casamento feliz, mas ela não quer ter filhos. - TV Globo/Divulgação
Lara e Mateus tem um casamento feliz, mas ela não quer ter filhos. Imagem: TV Globo/Divulgação
Conteúdo exclusivo para assinantes
Renata Corrêa

Renata Corrêa (Rio de Janeiro, 1982) é roteirista, escritora, dramaturga. Com forte presença nas redes sociais (@letrapreta, no Twitter, e @recorrea, no Instagram), seus trabalhos têm foco no humor e no protagonismo feminino. Autora do livro ?Vaca e Outras Moças de Família? (Ed. Patuá), da peça ?A Fábrica de Cachorros?, e do documentário ?Clandestinas?, sobre aborto no Brasil. Apresenta com Carla Lemos, colunista de Universa, o Podcast Primas, sobre cultura produzida por mulheres, e a série de vídeos ?Como Não Ser Um Machista Babaca?. Escreveu a série ?Perrengue? (MTV) e foi roteirista dos programas ?Greg News? (HBO), ?Tá no Ar? (Rede Globo) e ?Fora de Hora? (Rede Globo). Atualmente é contratada da Rede Globo, onde escreve o quadro ?Mulheres Fantásticas? e uma nova série de humor para o Globoplay.

Colunista do UOL

30/11/2021 04h00

Lara é uma clássica mocinha de uma novela das 21h. Interpretada pela atriz Andreia Horta, ela une todas as características necessárias para dar vida a esse tipo de personagem: é bonita, apaixonada, tem um bom coração e é vítima de uma trama sórdida - seu namorado, Christian, finge que morreu e toma o lugar do seu irmão gêmeo Renato. Lara está vivendo um luto verdadeiro de uma morte falsa, mas sua intuição afiada aponta para a verdade: Christian não está morto.

Mas algumas características fazem dela uma mocinha ligeiramente diferente - Lara não espera passivamente as consequências desse luto e decide refazer a sua vida ao lado do namorado de infância Mateus. E apesar do casamento feliz, não deseja ser mãe.

A maternidade na dramaturgia televisiva é geralmente retratada como um lastro moral para mocinhas e vilãs; elas buscam seus filhos desaparecidos, matam e morrem por eles; tudo é possível e justificado quando uma mulher deseja ser mãe. E a impossibilidade de ter um filho destrói ou enlouquece as mulheres - como Bárbara, personagem de Alinne Moraes. A maternidade é uma força motriz e de ação invencível para as personagens femininas.

Lara finge que parou de tomar a pílula e é descoberta por Mateus. Para se justificar, diz que ainda não está pronta, que tem medo de não ser uma boa mãe; mas para avó confessa que a maternidade nunca foi um sonho.

Para nossa sociedade, as mulheres que não desejam ter filhos são consideradas imaturas, e incapazes de amar verdadeiramente; são acusadas de egoísmo, e são amaldiçoadas com promessas de arrependimento futuro. Mas principalmente, são consideradas "menos mulheres", pois estão se recusando a cumprir o papel reprodutivo a que foram destinadas.

Curiosamente os dados a respeito da maternidade no Brasil são assustadores: grávidas e parturientes sofrem com violência obstétrica; 50% das mulheres trabalhadoras são demitidas após voltar da licença maternidade; Um quinto dos casais brasileiros se separam até o primeiro ano do nascimento do bebê. 5.5 milhões de crianças não têm o nome do pai na certidão de nascimento, revelando uma população inteira de mulheres criando sozinhas crianças abandonadas por um dos cuidadores, geralmente o homem da relação. A maternidade no nosso país é desamparada socialmente em muitos níveis, mas culturalmente "ser mãe" ainda é uma etapa fundamental de se tornar adulta, e mais do que isso - um destino inescapável.

Andreia Horta defende a personagem com muita competência e talento. Sua Lara é carismática, forte. É impossível não se identificar com sua trajetória de um amor idealizado e perdido com Christian para a tentativa de um amor racional e maduro com Mateus. O fato dessa personagem que gera tanta empatia não querer ser mãe é um ponto fora da curva nas telenovelas. Geralmente um bebê é o selo que atesta o final feliz e o sucesso do amor entre o casal protagonista. Lara busca sua felicidade por outros caminhos, legitimando também a felicidade de milhões de espectadoras que ainda encontram obstáculos para que essa escolha seja finalmente vista como natural.

Para saber mais sobre o que eu curto de cultura pop, feminismo, novelas, séries e os memes mais absurdos, pode me seguir no Instagram e no Twitter.

** Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do UOL