PUBLICIDADE
Topo

Pedro Antunes

Cover de Pink Floyd de ministro sanfoneiro é suco de política brasileira

O sorrisão do ministro Gilson Machado - Montagem: Pedro Antunes
O sorrisão do ministro Gilson Machado Imagem: Montagem: Pedro Antunes
Conteúdo exclusivo para assinantes
Pedro Antunes

Pedro Antunes, ou "Pô Antunes" pra quem só me conhece pelo Instagram, é jornalista, apresentador, curador e crítico de música e cultura pop desde 2010. Escreveu no Jornal da Tarde, Estadão e foi editor-chefe da Rolling Stone Brasil. Fez mais entrevistas do se lembra, tem um "novo disco favorito" por semana e faz mini-análises de álbuns no programa Tem um Gato na Minha Vitrola, no perfil @poantunes.

Colunista do UOL

31/08/2021 13h43

Em que momento você imaginaria ouvir uma versão de "Another Brick In the Wall", clássico supremo do Pink Floyd, em um programa de TV aberta?

Na RedeTV, então?

Em um programa dedicado à cobertura da política brasileira.

Com uma sanfona!

Com o ministro do Turismo de Bolsonaro, Gilson Machado!!!

Pois isso aconteceu ontem e este vídeo está aqui para provar.


Alô, Chico Barney, corre aqui, que e não estou me aguentando.

O vídeo é puro suco da política brasileira. Para uma plateia incrédula formada pelo apresentador Luís Ernesto Lacombe e para os comentaristas Amanda Klein, Rodrigo Constantino e Silvio Navarro, Gilson Machado contou uma história cujo ápice de deu com esta performance de "Another Brick In the Wall".

E todos parecem incrédulos porque, oras, quem não ficaria?

Não se pode dizer se tratar da pior cover da banda inglesa já feita porque isso seria uma ofensa aos tantos artistas que realmente se esforçaram para arruinar essa canção do álbum "The Wall", lançado em 1979.

Mas Gilson Machado leva a canção, tão complexa e cheia de intervenções sonoras e subtextos, para esta simplicidade de voz e sanfona. E sorri enquanto balbucia palavras ininteligíveis no que parece ser um idioma próprio. Um arraso!

Ele "destrói" o que se conhece da música com uma felicidade cativante. E não é o que tem sido feito com as instituições brasileiras?

Ainda mais "suco da política brasileira" está em pensar esta música - tão libertária, tão rebelde e tão contra o sistema e a opressão - seja cantada (ou quase) por um ministro de um governo conhecidamente conservador.

Se Roger Waters, autor da canção e desafeto de Bolsonaro, descobre isso, não vai sobrar para ninguém.

Enquanto isso, eu assisto ao vídeo no repeat por aqui antes que alguém tire do ar.

Você pode reclamar comigo aqui, no Instagram (@poantunes) ou no Twitter (também @poantunes).