PUBLICIDADE
Topo

Pedro Antunes

O punk pop voltou e a culpa é do TikTok, de um rapper ruim e do Blink-182

Estrelas como YUNGBLUD têm criado uma nova geração de punk pop - Foto: Rebekah Clark / Divulgação | Montagem: Pedro Antunes
Estrelas como YUNGBLUD têm criado uma nova geração de punk pop Imagem: Foto: Rebekah Clark / Divulgação | Montagem: Pedro Antunes
Conteúdo exclusivo para assinantes
Pedro Antunes

Pedro Antunes, ou "Pô Antunes" pra quem só me conhece pelo Instagram, é jornalista, apresentador, curador e crítico de música e cultura pop desde 2010. Escreveu no Jornal da Tarde, Estadão e foi editor-chefe da Rolling Stone Brasil. Fez mais entrevistas do se lembra, tem um "novo disco favorito" por semana e faz mini-análises de álbuns no programa Tem um Gato na Minha Vitrola, no perfil @poantunes.

Colunista do UOL

08/07/2021 12h49

Sem tempo?

  • Em uma trama que envolve até as Kardashians, o punk pop está de volta ao topo.
  • Esse é um movimento em crescimento desde o ano 2020 e que chega ao auge agora, no ano seguinte.
  • Entre os culpados temos os fenômenos do TikTok, a indústria das celebridades, o baterista do Blink-182 e um rapper ruinzinho.
  • Mas, no centro de tudo isso, estão jovens que viram no gênero um lugar para expressarem as angústias sobre o que é ter 20 anos ou menos atualmente.
  • O punk pop é cool de novo. Nunca foi uma fase, é um estilo de vida, como dizem no TikTok.

O pop punk está de volta. E, o melhor de tudo, é que não se trata de um revival nostálgico barato feito para vender turnês de reunião de bandas adoradas dos anos 2000.

Mesmo que alguns chamem de "revival", este movimento não é necessariamente para velhos roqueiros, emo crescidos e coisa do tipo. O pop punk atual é para uma gurizada que se expressa via vídeos do TikTok, não tem medo de mostrar seus sentimentos e fragilidades para uma tonelada de seguidores.

E isso gera uma estética nova, refrescante e curiosa fruto do encontro de gerações, virais do TikTok, indústria das celebridades, falta de esperanças e popularidade de temas ligados à saúde mental. Preparados para esta jornada?

Talvez você tenha ouvido já algum hit do novo punk pop por aí, nas redes sociais, no TikTok acessado pelos seus filhos ou por causa do algoritmo da sua plataforma de streaming.

Já aconteceu, prepare-se, vai se repetir. Um dos segredos desse novo movimento é que ele é intergeracional, conectando a turma de 35 a 45, que viveu intensamente o punk, emo e pop punk, e a gurizada adolescente e jovem adulto.

Para ficar mais fácil, é a galera que usou Orkut, deu indiretas no nickname do MSN e tinha pilhas de CD de instalação do UOL para acessar internet e aqueles que nasceram sabendo usar o "arrasta pra cima" e dar zoom em fotos no aparelho celular com os dedos.

Dá para ser ainda mais específico: é a aproximação de Travis Barker, o baterista do Blink-182, e do tiktoker e punk-popper Jaden Hossler, por exemplo.

Com 20 anos, o jovem que atende pelo nome artístico de Jxdn não tinha nascido quando a banda do atual patrão dele (por ser dono do selo DTA Records) soltou o clássico álbum "Enema of the State: (1999) e tinha 4 meses quando saiu o disco "Take Off Your Pants and Jacket", ambos do Blink-182.

Essa reunião é a cara do que é o novo punk rock e gerou milhões de views, likes e o que for. Com 9,4 milhões de seguidores no TikTok, Jxdn é o fenômeno da música de hoje. Toda a persona dele na plataforma, sua vida, os bastidores, os desamores são partes dessa narrativa que, além do TikTok, também vai parar na música.

Se aqui no Brasil, o que viraliza ainda é dancinha no TikTok, no resto do mundo, a plataforma transforma influenciadores de lá em astros gigantescos por si só.

O artista tem 6 milhões de ouvintes mensais no Spotify. No YouTube, o clipe de "So What!" foi assistido 19 milhões de vezes.

Já "Angels & Demons" tem 36 milhões de visualizações também na plataforma de vídeos.

A música acima poderia, facilmente, estar em algum álbum emo dos anos 2000, certo?

Os números já são relevantes o bastante para fazer a indústria olhar para essa geração de estética fluída e versos sobre o que é ser jovem, suas angústias e ansiedades, acompanhados seja por baladas, batidas de trap ou vocais gritados do emo.

O louco é que o crescimento de alguém como Jxdn passa completamente despercebido por "velhotes" de 30 anos se eles (ou nós?) não tiverem uma âncora, alguém mais jovem para mostrar o que está acontecendo neste outro universo.

A Rolling Stone EUA tratou Barker como essa espécie de guru do novo movimento pop punk, que carrega a história do emo, do hardcore melódico e rock veloz, realizado por meninos, meninas e menines angustiados, acostumados a colocar sentimentos para fora e publicá-los em vídeos curtos em plataformas virtuais.

Ele revelou suas âncoras:

"Eu digo para os meus amigos que não têm filhos: 'Tenha filhos, eles mantêm você jovem' Ando de skate com meus filhos, fazemos boxe juntos. Meus filhos gostam da mesma música que eu."
Travis Barker, à Rolling Stone EUA.

Então temos um ex-astro do punk pop que, com a ajuda dos filhos, mapeou um novo movimento de guitarras e sentimentos aflorados na plataforma mais relevante do mundo hoje, o TikTok. O que ele fez? Ele voltou a trabalhar nesse nicho, criou um selo, fez conexão com essa turma que, como falei, não tinha nem nascido quando o Blink-182 brilhou. Faz todo o sentido.

Voltemos ao TikTok

A pessoa mais seguida no TikTok é uma garota chamada Charli D'Amelio, de 17 anos e 119 milhões de seguidores na plataforma. O ex-namorado e amigo próximo (é complicado, nem tente entender) é Chase Hudson, também conhecido como Lil Huddy, mais um dessa geração de pop punk.

Lil Huddy tem seus 11 milhões de seguidores no Instagram, 31 milhões no TikTok (sim, perceba que, para essa geração, o TikTok já tem mais importância que o Instagram), 881 mil ouvintes mensais no Spotify e 54 milhões de visualizações no YouTube.

O rapaz é este aqui:

Assim como Jxdn, Lil Huddy ascendeu ao usar as angústias jovens em músicas entorpecidas de guitarras distorcidas e baterias tocadas com vontade - como Barker fazia nos tempos em que o Blink-182 era gigante, percebem?

A indústria da fofoca ajudou também

Com tantos números nas plataformas, é claro que a vida de artistas como Jxdn e Lil Huddy passam a receber atenção da imprensa de celebridades. Todos querem uma fatia desse engajamento, sejam gravadoras, selos, jornalistas, outros influenciadores e músicos.

Um caso bem específico de como o mundo das celebridades, dos influenciadores digitais e do pop punk se misturaram é o de Mod Sun.

O rapaz é ex-namorado de Tana Mongeau, uma dessas influenciadoras de redes sociais ultra populares. Eles terminaram, aquele drama todo e ele fez a música e clipe de "Karma", cheio de indiretas sobre como "tudo que vai, volta" e por aí vai.

Tana respondeu com um vídeo no YouTube ao dizer que a música em questão era para ela, o que levou mais gente ao vídeo de "Karma". O que gerou mais atenção para a música. Entende como o crossover funciona?

Indo mais além, cada estrofe ou refrão da música tem duração perfeita para funcionar em vídeos do TikTok. Isso é proposital, é obvio: é um convite para a molecada postar as próprias indiretas dublando "karma is a b*tch", sacou?

Vamos mais longe? Quem assina o vídeo de "Karma" é um tal de Machine Gun Kelly.

O rapper ruim que fez um disco nº1 de pop punk

Talvez você tenha ouvido falar do músico que, até pouco tempo atrás, era só um rapper medíocre que tentava arrumar tretas com o Eminem para ficar famoso.

Pois ele, de repente, surgiu com o disco "Tickets To My Downfall", em 2020. Acompanhado de guitarra rosa berrante e uma porção de canções sobre frustrações e distorções, o álbum de pop punk dele liderou o ranking Billboard 200, a parada de discos dos EUA.

E o fato de ser namorado de Megan Fox, estrela que brilhou em Hollywood principalmente nos anos 2000, quando pop punk estava com tudo, só aumenta o hype em torno do músico e do gênero. Lembre-se: tudo está ligado.

MGK não é excelente (pelo contrário), mas tem fama e esperteza e conhece o mercado. Ele fez, por exemplo, um encontro do pop punk com a música pop ao chamar a cantora Halsey (estrela adorada da MTV) para um single.



E o produtor do álbum "Tickets To My Downfall" foi Travis Barker, cujo namoro com Kourtney Kardashian (dona de um dos sobrenomes mais famosos do mundo das celebridades) também cria um bafafá em torno do nome dele e do atual trabalho com o novo punk pop.

Fluidez sonora

Os artistas que estão na crista do que é pop punk atual não são exclusivamente dedicados às guitarras ruidosas. E isso é algo que os difere da geração dos anos 2000. Como falei acima, tudo é fluído.

Veja o caso do YUNGBLUD, nome do inglês nascido Dominic Harrison, em Yorkshire. Com o espírito daquele punk dos anos 2000, ele funde as guitarras com pop, reggae e rap. Osom dele é uma doideira, o que lhe rendeu elogios no álbum de estreia "21st Century Liability" (2018) e um EP que o catapultou para as alturas, o "The Underrated Youth".

Justamente por não se prender à estética preestabelecida por nós, velhinhos dessa história, Dominic desafia as barreiras de gênero, se é que elas existem ainda hoje.

Ouça "Parents", por exemplo, e divirta-se percebendo as referências:

Todos estes nomes, a turma do TikTok, YUNGBLUD (também figura potente na plataforma), Machine Gun Kelly e Travis Barker colaboram entre si em singles, vídeos e tudo mais, algo que o rock enfim aprendeu com o rap e o pop.

E o Brasil?

Não é por acaso que o último álbum da Fresno tenha sido tão popular.

"Sua Alegria Foi Cancelada", de 2019, não se envereda tanto pelo punk, mas resgata sentimentos que nós, velhos ou novos, preferimos deixar escondidos, medos, desamores e falta de esperança. Eu mesmo assisti a dois shows do grupo, logo depois do lançamento do álbum e o público gritou tanto pelas músicas novas do que pelos clássicos da banda.

O que Silveira percebeu em 2019 é que o mundo caminhava para uma nova fase de desolação, como ocorreu no início dos anos 2000, com os atentados de 11 de Setembro de 2001. A esperança foi embora ali e músicas emotivas ganharam força na época. O mesmo ocorre agora, afinal, todo esse movimento é cíclico.

O músico Sebastianismos, baterista da banda Francisco, El Hombre, não só mapeou também o ressurgimento do punk pop como identificou um movimento brasileiro e o chamou de Tropical Punk.

Ele preparou um álbum só de pop punk, hardcore, etc, de nome "TÓXICO", que terá músicas com craques do emo/hardcore brasileiro, como as participações da já citada Fresno, Badauí (vocalista do CPM 22) e Dani Weks.

Ele soltou "Bomba Relógio", o primeiro single com clipe, para anunciar a chegada da nova fase. A música é borbulhante, realmente.

Veteranos também em alta

O que nos leva à outra questão interessantíssima do retorno pop punk. Artistas de sucesso daqueles anos 2000 têm ganhado sobrevida na temporada 2020/2021. Avril Lavigne, por exemplo, está para lançar um álbum (o timing é perfeito, ein?).

Ela recém-estrelou "Flames", um single/vídeo de Mod Sun, que mostra que ela realmente não envelheceu um ano sequer.

Já a banda All Time Low registrou, pela primeira vez, um lugar no topo na parada de rádios alternativas da Billboard com a música "Monsters", com a participação de Blackbear, o mesmo produtor/rapper/músico que participa de "My Ex's Best Friend", maior hit de Machine Gun Kelly.

É tanta conexão que eu até me irrito um pouco (risos)

Explodiu, então?

O que faltava para que o gênero realmente explodisse era um hit, algo que furasse mais as bolhas e não ficasse preso na turma de 20 anos. E isso aconteceu justamente com uma menina de 17, 18 anos.

Estou falando de Olivia Rodrigo e do álbum "SOUR" que, veja só, é pop, é folk e é rock pra cacete.

Escrevi sobre ela dia desses, na coluna, em um texto com o título de "Olivia Rodrigo é mais rock and roll que muito marmanjo de bandana" (Não me odeiem tanto, marmanjos de bandana).

Com Rodrigo, estrela da Disney, o hit veio. E ele se chama "Good 4 U", uma música que chegou ao topo da parada mais importante, a Billboard Hot 100, um espaço há muito tempo não ocupado por uma canção guiada por uma guitarra raivosa (ou "raivosinha", como é o caso do som de Rodrigo).

Por que é bom?

O interessante dessa onda de pop punk na música mainstream (com números gigantescos de visualizações, etc) é a abertura para artistas menores, mas realmente excelentes.

Historicamente, é assim que funciona. A popularidade do Nirvana e do grunge garantiu contratos em gravadoras grandes para artistas adorados, como Sonic Youth, já veterana. O britpop também abriu as porteiras para novos artistas britânicos excelentes. E por aí vai.

No caso do pop punk, enquanto Machine Gun Kelly e Travis Barker estão no topo, grupo como Meet Me @ The Altar mostra como é possível fazer um hardcore pesado, com melodias interessantes, refrãos pegajosos e muito vigor sonoro.

Se quer algo mais pesado, experimente Pinkshif, abaixo com " i'm gonna tell my therapist on you".

Como não ter esperança na humanidade ouvindo essas garotas cantando?

O pop punk está de volta. E ser emo/punk se tornou cool de novo.

Como diz uma trend no TikTok (óbvio) recentemente: "Mãe, nunca foi uma fase, é um estilo de vida"