PUBLICIDADE
Topo

Pedro Antunes

Ariana Grande e o novo pop erudito com Doja Cat, The Weenkd e Ty Dolla Sign

Capa de "positions", novo disco da Ariana Grande - Divulgação
Capa de 'positions', novo disco da Ariana Grande Imagem: Divulgação
Pedro Antunes

Pedro Antunes, ou "Pô Antunes" pra quem só me conhece pelo Instagram, é jornalista, apresentador, curador e crítico de música e cultura pop desde 2010. Escreveu no Jornal da Tarde, Estadão e foi editor-chefe da Rolling Stone Brasil. Fez mais entrevistas do se lembra, tem um "novo disco favorito" por semana e faz mini-análises de álbuns no programa Tem um Gato na Minha Vitrola, no perfil @poantunes.

Colunista do UOL

30/10/2020 14h42

Sem tempo?

  • Ariana Grande acabou de lançar o sexto álbum, 'positions'
  • Doja Cat, The Weeknd e Ty Dolla Sign são as participações no trabalho
  • Letras picantes, outras reflexivas, o disco é uma cartilha sobre a vida adulta
  • Violinos e violoncelos dão ares pomposos de trilha sonora da Disney ao álbum
  • Sim, é um disco de 'Disney para maiores de idade' - mas um sentido muito mais amplo do que você está pensando
  • Ou você pode dizer que é um disco de ópera pop; pode soar mais chic

'positions', escrito assim, com todas as letras minúsculas, não só confunde o corretor automático do computador que insiste em colocar a primeira letra maiúscula. O álbum de Ariana Grande, lançado nesta sexta-feira (30), também é a representação do emoji de cabeça explodindo no pop.

Sabem qual é o emoji? O Patrick aqui também representa bem o que quero dizer:

Afinal, 'positions' de Ariana Grande é pop, mas é erudito também. Violinos e violoncelos pincelam as canções. Há o gravezão do trap aqui e acolá, enquanto Ariana canta R&B, ora suingada, ora se arriscando em vocais agudíssimos daqueles que conhecemos bem.

Você dará o play no álbum e perceberá essas referências e estéticas em um diálogo único. O lance é que 'positions' tem uma linha narrativa que é única, de início ao fim do álbum.

Ópera pop?

É meio que por aí. Claro, 'positions' não é como os velhos discos de ópera rock, com cada faixa interligada na outra, tal qual "Tommy" (do The Who) ou "American Idiot" (do Green Day, um exemplo pra quem é mais jovem sacar também).

Até porque, estamos falando de música pop e contemporânea, da tal "Era das Playlists" e tudo mais. Cada música precisa ter sua identidade própria minimamente solitária para funcionar em outros contextos.

Com o play de "positions" do início ao fim, contudo, você saca o diálogo estético. E ali estão os instrumentos de corda, os violinos e violoncelos citados no início do texto. Eles entregam a carga dramática em um álbum que já tem a Ariana Grande e o vozeirão agudo dela para isso.

Aliás, por falar em agudos, ela canta em "my hair" em níveis altíssimos. Nos Estados Unidos, essa técnica é conhecida como "whistle tone", algo como "registro de apito", e significa cantar as notas mais altas possíveis pela voz humana. É tipo o apito que só os cachorros ouvem, saca?

Ariana Grande fez um álbum de ópera pop, sim.

Participações do álbum: quem são?

Ariana Grande não está sozinha em "positions". São três participações, ou feats, como dizem por aí. Doja Cat rima em "motive", The Weenkd emociona com "off the table" e Ty Dolla Sign canta/rima com Ariana em "safety net". Cada um deles está, definitivamente, no topo do próprio jogo atualmente.

  • Doja Cat: uma das artistas mais interessantes da nova geração, Doja Cat tem dois álbuns muito bons lançados, Amala (2018) Hot Pink (2019) - o segundo deles, aliás, é realmente especial.
  • The Weeknd: o maior nome do R&B alternativo, The Weeknd ascendeu à fama com o álbum "Beauty Behind the Madness", de 2015, mas já era queridinho de quem curtia letras sombrias sobre abuso de drogas e relações tóxicas.
  • Ty Dolla Sigh: Rei dos feats, o artista já colaborou com nomes enormes do pop, de Post Malone a Nicki Minaj, passando por Kanye West, Jason Derulo e uma parceria extremamente popular com as Fifth Harmony. Tem três álbuns lançados.

Trilha da Disney para maiores de 18 anos

Em termos de produção, a pomposidade instrumental sugere uma trilha sonora de filme da Disney. Como se assistíssemos a um clássico do estúdio, daqueles tempos de animação em 2D e trilhas sonoras orquestradas.

Ao mesmo tempo, as letras apontam para uma emancipação de Ariana Grande como artista, letrista e cantora.

Embora versos de "34+35" tenham repercutido pela web por conta do sexy talk da canção, o álbum vai além de letras para maiores de 18 no sentido sexual da coisa.

O sexo está incluído nesse diário que é 'positions' porque é algo saudável e presente para qualquer jovem adulto - bom, em tempos de pandemia e distanciamento social, talvez tudo esteja mais complicado, mas força aí, pessoal.

Portanto, o 'para maiores' do título desse tópico é mais amplo do que só o papo sobre transas. Envolve libertação, envolve inseguranças, envolve carência e, claro, envolve também amor e sexo.

"positions", do início ao fim, entrega uma cartilha sobre tudo que o jovem precisa saber sobre a verdadeira vida adulta, quando se chega na beira dos 30 anos de idade e as coisas ficam complicados demais.

E, acredite, é tão complicado que, às vezes, um corretor automático que insiste em deixar a primeira letra de "positions" maiúscula já é capaz de tirar você do sério em plena sexta-feira.

** Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do UOL.