PUBLICIDADE
Topo

Pedro Antunes

Ei, 'Psiu'! Liniker estreia música como artista solo: 'Meu novo momento'

Liniker lança single "Psiu" - Boogie Naipe / Divulgação
Liniker lança single "Psiu" Imagem: Boogie Naipe / Divulgação
Pedro Antunes

Pedro Antunes, ou "Pô Antunes" pra quem só me conhece pelo Instagram, é jornalista, apresentador, curador e crítico de música e cultura pop desde 2010. Escreveu no Jornal da Tarde, Estadão e foi editor-chefe da Rolling Stone Brasil. Fez mais entrevistas do se lembra, tem um "novo disco favorito" por semana e faz mini-análises de álbuns no programa Tem um Gato na Minha Vitrola, no perfil @poantunes.

Colunista do UOL

30/10/2020 08h29

Sem tempo?

  • Liniker lançou o single de estreia, "Psiu"
  • A música é a primeira dela sem a banda Caramelows
  • Aliás, Liniker e os Caramelows anunciaram a separação em fevereiro de 2020
  • Os Caramelows seguem lançando músicas e soltaram um EP
  • Liniker é agenciada por Eliane Dias, a empresária dos Racionais MC's

Vagarosa, com um canto de cadência lenta, ela chega. Liniker. Em um chamado "novo momento', ela apresenta o single "Psiu", a estreia como artista solo depois de cinco anos com Liniker e os Caramelows.

A faixa, disponível em todas as plataformas digitais, é um lançamento distribuído pela Altafonte e sai pela produtora Boogie Naipe (a mesmo dos Racionais MC's). Desde agosto de 2020, aliás, Liniker é agenciada pela Eliane Dias, que desde 2013 está à frente da produtora.

A canção foi escrita pela Liniker e apresenta os arranjos delicados de Gustavo Ruiz e Júlio Fejuca.

"Intuição" é a palavra-chave que Liniker usa para tratar da nova fase da carreira.

"Volta a intuição que se encontra com o meu novo momento, de necessitar enxergar esse mundo e esse corpo preto, trans e não mais barato, como rediz Elza Soares em sua música, como minha maior potência e meu ponto de partida e chegada."
Liniker, em uma carta de apresentação do single

"Psiu" tem início manhoso, mas cresce. O baixo pulsa, tudo se expande na segunda metade e no último terço da canção. É como uma metáfora da descoberta. De chegar de mansinho, de ganhar confiança, até poder correr e pular.

"Pra quem não sabia contar gotas, cê aprendeu a nadar", diz o primeiro verso dessa nova fase de Liniker. "Descascou o medo para caber coragem", ela canta, em outro trecho bonito. "Temperou com calma seu desassossego".

A verdade é que cada verso dela poderia ser destacado aqui neste texto. "Psiu" é uma canção que usa o mergulho, a água, nessa metáfora de transformação. Canta os medos, as angústias da travessia, mas da perspectiva de quem já chegou do outro lado.

Liniker soa em paz.

O clipe da canção será lançado no sábado (31), no canal de YouTube da artista.

Ouça "Psiu", novo single da Liniker:

Foram cinco anos ao lado da banda Caramelows. Juntos, Liniker e os Caramelows sacudiram a poeira da música brasileira. E sacudiram, mesmo, tiraram o pó, arrumaram o salão para um baile gostoso. Assim vieram o EP Cru (2015) e os álbuns Remonta (2016) e Goela Abaixo (2019).

Enfileiraram canções deliciosas, outras ardidas, como "Zero", "Intimidade", "Calmô", "Sem Nome, Mas Com Endereço", "Bem Bom", ao longo de cinco anos de união.

Fizeram juntos uma apresentação linda no projeto Tiny Desk, da NPR Music. É bonito que só. Vou colocar o player aqui também.

Desde fevereiro, eles anunciaram a separação. Um processo difícil, doloroso, é claro que é. Como qualquer movimento de rompimento.

Caramelows se mantiveram em atividade frequente, desde então, com uma porção de bons singles e um EP chamado "Melows em Casa".

Já Liniker estreia agora.

Abaixo, você pode ler a carta de apresentação do single enviada pela própria cantora:

"Ser uma artista em processo de construção e descoberta partindo de um ponto onde intuir é o verbo mais presente do meu processo artístico, me motiva a entender e a repensar a minha arte de forma onde eu me encontro no que chamo e entendo como fluir, minha canção se unta na presença da voz, que se funde as cores dos meus desenhos, que rabisca e borda os meus escritos e grifa a minha trajetória com tinta preta e bastante forte.

Subjetivas são as escolhas de me fazer artista, pois nesse caminho, assim como na ancestralidade em diáspora, o que nos é ensinado é a partir da dialética, do corpo expandindo todas as possibilidades de verbo através dos movimentos.

Ai volta a intuição que se encontra com o meu novo momento, de necessitar enxergar esse mundo e esse corpo preto, trans e não mais barato, como rediz Elza Soares em sua música, como minha maior potência e meu ponto de partida e chegada. Liniker não é apenas um nome com sete letras. Meu corpo hoje no mundo é o resgate dos caminhos que foram traçados pela força que vem de lá e ao meu desejo, nunca antes sentido e querido como agora."

** Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do UOL.