PUBLICIDADE
Topo

Pedro Antunes

Bolsonaro prisioneiro? Deep fake aprisiona presidente no clipe de 'Leviatã'

Bolsonaro em versão deep fake do clipe de "Leviatã", do artista Lafetah  - Reprodução / YouTube
Bolsonaro em versão deep fake do clipe de 'Leviatã', do artista Lafetah Imagem: Reprodução / YouTube
Pedro Antunes

Pedro Antunes, ou "Pô Antunes" pra quem só me conhece pelo Instagram, é jornalista, apresentador, curador e crítico de música e cultura pop desde 2010. Escreveu no Jornal da Tarde, Estadão e foi editor-chefe da Rolling Stone Brasil. Fez mais entrevistas do se lembra, tem um "novo disco favorito" por semana e faz mini-análises de álbuns no programa Tem um Gato na Minha Vitrola, no perfil @poantunes.

Colunista do UOL

29/10/2020 17h15

Sem tempo?

  • Artista mineiro, Lafetah lança o clipe de "Leviatã", música com participação de ViniJoe
  • Bolsonaro, em versão deep fake, é um prisioneiro no vídeo
  • Donald Trump também aparece em deep fake
  • Vídeo apresenta uma discussão sobre as fake news

Bolsonaro é prisioneiro de um apocalipse distópico e fictício no estilo"Mad Max brasileiro" no novo clipe do artista mineiro Lafetah, com participação do rapper ViniJoe, lançado na última quarta (28).

Presidente dos Estados Unidos, Donald Trump também aparece em cenas breves no vídeo, mas não tem o mesmo protagonismo de Bolsonaro.

Com um impressionante uso da tecnologia deep fake (uma inteligência artificial capaz de fazer montagem e trocar rostos e vozes de pessoas em vídeos), o videoclipe "Leviatã" coloca os presidentes do Brasil e dos Estados Unidos amarrados e amordaçados acompanhados de dançarinos e um paredão de som.

O clipe pode ser assistido abaixo:

"Mad Max brasileiro"?

Dirigido por Isadora Canela, a narrativa do clipe se divide em duas realidades. A ficção, de Lafetah, e a realidade, com protagonismo de ViniJoe. Eventualmente, eles se juntam em uma mesma realidade.

Bolsonaro em versão deep fake do clipe de 'Leviatã', do artista Lafetah  - Reprodução / YouTube - Reprodução / YouTube
Bolsonaro em versão deep fake do clipe de 'Leviatã', do artista Lafetah
Imagem: Reprodução / YouTube

No universo da ficção de Lafetah, motoqueiros empinam suas motocicletas, enquanto dançarinos acompanham uma versão de Bolsonaro de joelhos no asfalto de uma estrada deserta.

A estética remete às escolhas do diretor George Miller nos filmes de "Mad Max": algo como um futuro distópico, menos populoso, com essas tribos sobre rodas. Só que em uma versão brasileira, com passinhos e carros equipados por poderosos alto-falantes.

Vídeo faz campanha contra fake news

O vídeo integra uma campanha poderosa nas redes, sob a hashtag #compartilheumaverdade, como explica o artista:

"Não é só pelo impacto, mas também para criarmos um senso crítico diante disso tudo que estamos vivendo. Não é hora de ficarmos calados. Precisamos compartilhar verdades para quebrar a corrente de mentiras."

Para ViniJoe, o vídeo e a música são provocação e um alerta:

"Queremos ter voz e cutucar a sociedade para abrir os olhos e enxergar tudo isso que está acontecendo. Estamos cansados de tanta mentira e violência."

Já a diretora do clipe Isadora Canela explica a escolha pela narrativa cujos alvos são as notícias falsas (históricas ou recentes):

"As notícias falsas fazem parte do nosso cotidiano, não é só uma preocupação, é parte da realidade assim como suas consequências. Este clipe não é sobre verdades subjetivas, é sobre mentiras que vivemos e compartilhamos. Um convite ao discordar, duvidar, discutir, desde que embasado em premissas verdadeiras. Só o básico mesmo, construir opiniões a partir de notícias reais."

Influências árabes e novo disco

Teatral, Lafetah faz do videoclipe um verdadeiro evento audiovisual. Não se trata apenas de um vídeo para acompanhar o single. Subtextos, metáforas, efeitos, deep fake, crítica social, dedo na ferida histórica. Tudo se reúne ali.

"Leviatã" (um lançamento da Relva Music) integra, aliás, a nova fase do artista, prestes a lançar um novo álbum, o primeiro cheio dele. Antes disso, Lafetah lançou o EP "Insone", de 2018, e outros dois singles: "Catuçaí" e "Lobo no Divã".

Cantor e compositor mineiro, ele promete que o disco de estreia manterá as estéticas pop e também não abandonará "as raízes árabes", algo que já é bastante proeminente no single de "Leviatã", com as melodias árabes acompanhadas de graves potentes em ritmo de funk. A produção da música é de Rico Manzano.

** Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do UOL.