PUBLICIDADE
Topo

Mauricio Stycer

ANÁLISE

Texto baseado no relato de acontecimentos, mas contextualizado a partir do conhecimento do jornalista sobre o tema; pode incluir interpretações do jornalista sobre os fatos.

Esperar um mês para exibir no Brasil especial de "Friends" é erro grosseiro

O sexteto de Friends se reuniu num especial, 17 anos após o fim do seriado - Divulgação HBO Max
O sexteto de Friends se reuniu num especial, 17 anos após o fim do seriado Imagem: Divulgação HBO Max
Mauricio Stycer

Mauricio Stycer é jornalista desde 1985. Repórter e crítico do UOL, colunista da Folha de S.Paulo, passou por Jornal do Brasil, Estadão, Folha, Lance!, Época, CartaCapital, Glamurama Editora e iG. É autor de "Topa Tudo por Dinheiro - As muitas faces do empresário Silvio Santos" (editora Todavia, 2018).

Colunista do UOL

27/05/2021 11h02

O especial que promoveu o reencontro do elenco de "Friends" foi ao ar na madrugada desta quinta-feira (27) no HBO Max, nos Estados Unidos. Os fãs brasileiros da série só poderão ver o programa em 29 de junho, quando o serviço de streaming for lançado no país.

Em 2021, esta estratégia de marketing me parece um erro grosseiro. É muito difícil evitar que espectadores brasileiros deem um "jeitinho" de ver antes da data programada pela empresa. No período de um mês, também é inevitável que apareçam cópias piratas do especial. Esconder o programa por tanto tempo também alimenta toda uma indústria de spoilers dedicada a saciar a curiosidade dos fãs.

A WarnerMedia decidiu guardar o especial para a estreia do HBO Max na América Latina por entender que é uma ótima forma de promover o novo serviço de streaming.

De fato, quem busca informações sobre o programa na internet já esbarra em propagandas sobre a nova plataforma. Mas, creio, esta é uma estratégia que não faz muito sentido num mundo tão conectado.

A empresa sabe disso, tanto que já há alguns anos tem exibido as principais séries da HBO de forma simultânea em seus principais mercados. Foi assim com "Game of Thrones" e está sendo, neste momento, com "Mare of Easttown", entre muitos outros casos.

** Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do UOL