PUBLICIDADE
Topo

Mauricio Stycer

OPINIÃO

Texto em que o autor apresenta e defende suas ideias e opiniões, a partir da interpretação de fatos e dados.

BBB mostra insensibilidade com início festivo e sem menção a Paulo Gustavo

BBB 21: Juliette, Fiuk e Camilla são informadas por Tiago Leifert sobre a morte de Paulo Gustavo - Reprodução/ Globoplay
BBB 21: Juliette, Fiuk e Camilla são informadas por Tiago Leifert sobre a morte de Paulo Gustavo Imagem: Reprodução/ Globoplay
Mauricio Stycer

Mauricio Stycer é jornalista desde 1985. Repórter e crítico do UOL, colunista da Folha de S.Paulo, passou por Jornal do Brasil, Estadão, Folha, Lance!, Época, CartaCapital, Glamurama Editora e iG. É autor de "Topa Tudo por Dinheiro - As muitas faces do empresário Silvio Santos" (editora Todavia, 2018).

Colunista do UOL

05/05/2021 00h13

A Globo teve o dia inteiro para pensar como noticiaria a morte de Paulo Gustavo caso ela ocorresse antes do início da final do "BBB 21". Desde o "Jornal Nacional", pelo menos, já se sabia que quadro do ator era irreversível. A confirmação da morte ocorreu cerca de 30 minutos antes do início do programa - e foi feita numa entrada jornalística no intervalo de "Império", sem o uso sequer da famigerada vinheta do Plantão da Globo.

A direção do "BBB" fez a pior opção. Ignorou o assunto na abertura. Tiago Leifert entrou em cena em clima de festa, num tom totalmente inadequado para a situação. Insensível, para dizer o mínimo.

Somente 20 minutos depois, após um bloco comercial, Leifert fez menção ao assunto. Comunicou a morte de Paulo Gustavo aos finalistas, pediu que eles comentassem a perda, falou da tristeza de todos e emendou o mantra da direção do programa: "A dor de vocês é a nossa dor. Que o tempo traga conforto para todos nós. Mas aqui, da nossa parte, é a nossa final, o show precisa continuar."

E, num segundo sinal de insensibilidade, chamou o VT de um merchan: "Por aqui vamos continuar com o nosso show. Nossos finalistas receberam a Iza. Vamos ver".

Para seguir com o show em meio ao clima de tristeza, a Globo optou por traçar duas linhas paralelas. Numa, a final do "BBB", com números musicais, VTs bem-humorados e muitas ações comerciais. Na outra, os flashes jornalísticos em todos os intervalos, atualizando o espectador sobre a notícia da morte.

Outro erro, na minha opinião, foi a decisão de exibir o especial "220 Volts" depois do "BBB". Entendo a ideia da homenagem - vamos rir com Paulo Gustavo - mas creio que timing está errado. Hoje é dia de jornalismo, de informação, de notícia.

** Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do UOL