PUBLICIDADE
Topo

Mauricio Stycer

REPORTAGEM

Texto que relata acontecimentos, baseado em fatos e dados observados ou verificados diretamente pelo jornalista ou obtidos pelo acesso a fontes jornalísticas reconhecidas e confiáveis.

Faustão revela que pediu a Roberto Marinho para cancelar veto a Timóteo

Faustão fala de Agnaldo Timóteo durante o "Domingão" deste domingo (11/04) - Reprodução/Globo
Faustão fala de Agnaldo Timóteo durante o "Domingão" deste domingo (11/04) Imagem: Reprodução/Globo
Conteúdo exclusivo para assinantes
Mauricio Stycer

Mauricio Stycer é jornalista desde 1985. Repórter e crítico do UOL, colunista da Folha de S.Paulo, passou por Jornal do Brasil, Estadão, Folha, Lance!, Época, CartaCapital, Glamurama Editora e iG. É autor de "Topa Tudo por Dinheiro - As muitas faces do empresário Silvio Santos" (editora Todavia, 2018).

Colunista do UOL

11/04/2021 21h07

Normalmente discreto em relação aos gestos de generosidade que pratica, o apresentador Fausto Silva cometeu uma indiscrição neste domingo (11) ao revelar que intercedeu junto a Roberto Marinho (1904-2003) em favor de Agnaldo Timóteo (1936-2021).

"Para quem se acostumou a ver o Agnaldo às vezes rude, às vezes até violento, polêmico... Eu convivi com o Agnaldo por mais de 40 anos. Fui responsável até pela volta dele a cantar aqui na TV Globo. Consegui o perdão diretamente com o doutor Roberto Marinho. E superando divergências políticas, e outras coisas", disse Faustão.

Timoteo  - Jardiel Carvalho/Folhapress - Jardiel Carvalho/Folhapress
O cantor Agnaldo Timóteo
Imagem: Jardiel Carvalho/Folhapress

O apresentador não explicou a causa da divergência entre o cantor e o dono da Globo. Ela ocorreu em meados dos anos 1980. Timóteo elegeu-se deputado federal pelo PDT, de Leonel Brizola, com mais de 500 mil votos em novembro de 1982. Dois anos depois, votou a favor da emenda Dante de Oliveira, que previa eleições diretas para presidente da República.

Mas, derrotada a proposição, Timóteo decidiu votar em Paulo Maluf, candidato do PDS, no Colégio Eleitoral, contrariando a orientação do seu partido, que votou em Tancredo Neves.

Expulso do PDT, Timóteo se filiou ao PDS, onde cumpriu o restante de seu mandato. Numa reunião do diretório nacional do partido, em 1986, o cantor fez um discurso inflamado com acusações a Roberto Marinho: "Mais da metade do equipamento dele foi contrabandeado, segundo as más línguas, o que uma CPI poderia comprovar em cinco minutos", disse.

Em 2011, numa entrevista a Pedro Alexandre Sanches, no iG, Timóteo contou que havia pedido perdão a Marinho, mas não mencionou a ajuda de Faustão: "Fui Maluf quando houve a eleição indireta para presidente, briguei pelo Maluf. Hoje eu não faria mais isso, porque outro dia ele provou que não merecia que eu houvesse brigado por ele. Briguei muito, quase arruinei a minha vida, não só a minha carreira. Agredi o doutor Roberto Marinho, e quando vi que estava errado tive que pedir perdão a ele."

Em 2017, em entrevista a Mauro Morais, na "Tribuna de Minas", Timóteo voltou a falar do episódio: "Briguei com a Rede Globo de Televisão, chamei o doutor Roberto Marinho de contrabandista e covarde. Me arrependo profundamente porque ele era uma figura fantástica. Eu era deputado federal, o mais votado da história deste país".

Outra ajuda famosa de Faustão

Em junho de 2015, o humorista Tom Cavalcante reapareceu na Globo após um sumiço de 11 anos. "Acho que essa minha volta necessariamente se deve a você, se deve a tudo o que você representa para nós, artistas, na Globo", disse Tom a Faustão durante o "Domingão".

Tom se queimou junto à Globo após romper o seu contrato com a emissora três meses antes do fim, em 2004, devido a um projeto ambicioso oferecido pela principal concorrente, a Record. Faustão, amigo pessoal do humorista, fez gestões junto à Globo pelo "perdão", que foi concedido, finalmente, em 2015.