PUBLICIDADE
Topo

Mauricio Stycer

ANÁLISE

Texto baseado no relato de acontecimentos, mas contextualizado a partir do conhecimento do jornalista sobre o tema; pode incluir interpretações do jornalista sobre os fatos.

"Fake Famous" descreve a experiência de transformar um anônimo em famoso

O documentário "Fake Famous" mostra a fabricação da fama da atriz Dominique Druckman  - HBO/Divulgação
O documentário "Fake Famous" mostra a fabricação da fama da atriz Dominique Druckman Imagem: HBO/Divulgação
Mauricio Stycer

Mauricio Stycer é jornalista desde 1985. Repórter e crítico do UOL, colunista da Folha de S.Paulo, passou por Jornal do Brasil, Estadão, Folha, Lance!, Época, CartaCapital, Glamurama Editora e iG. É autor de "Topa Tudo por Dinheiro - As muitas faces do empresário Silvio Santos" (editora Todavia, 2018).

Colunista do UOL

28/02/2021 11h16

Estreou esta semana na HBO um documentário tão interessante quanto polêmico. "Fake Famous" descreve o processo de transformação de três pessoas anônimas em famosas por meio de artifícios enganosos.

A ideia do jornalista Nick Bilton, diretor do filme, é expor o que ele enxerga como uma indústria fundada em princípios volúveis e alimentada pelo dinheiro.

Após uma seleção com centenas de candidatos, Bilton escolhe três anônimos que serão transformados em famosos. Um dos escolhidos diz: "Minha vida toda eu disse que queria ser famoso. Hoje eu acho que mereço ser famoso. As pessoas precisam conhecer meu carisma".

Ao longo do processo, Bilton mostra como funciona a indústria de compra de seguidores e de engajamento ("curtidas") no Instagram, assim como a de produção de fotos para exibir na rede social. Um dos momentos mais engraçados é a sessão de fotos num estúdio que simula um jatinho privado - o sonho de consumo dos famosos.

O diretor defende a ideia que as redes sociais não combatem os usuários fantasmas ("bots"), que inflam os números dos famosos, porque elas também ganham dinheiro com isso.

Bilton tem uma visão 100% negativa desta indústria da fama: "Os influencers não te fazem sentir melhor. O conceito todo de influencer é te fazer sentir pior (e pensar): 'Olha essa vida que tenho'. Isso não é fama. O nome está errado".

Uma das anônimas criadas por Bilton chega a ter 250 mil seguidores no Instagram após cinco meses e, graças a estes números, começa a receber propostas de trabalho e ofertas de ações comerciais verdadeiras. É a prova de que a fama, mesmo inventada, pode ser um bom negócio. Mas a trajetória de outro dos famosos inventados pelo diretor mostra que o processo pode ser bem doloroso e traumático.

"Fake Famous" falha ao ficar apenas na superfície desta indústria. O fenômeno é muito mais complexo e merecia uma abordagem mais vertical, que buscasse entender a sua complexidade.

Stycer recomenda
Quem dá mais para vencer? Escândalo de corrupção abala Globo de Ouro

Globo faz aposta arriscada com reprise de Salve-se Quem Puder

Geraldo Luis testa positivo para covid-19 e Bacci comandará A Noite É Nossa

Thelma mais cruel e pandemia: o que esperar da 2ª fase de 'Amor de Mãe'

Pior da semana
Com três participantes lesionados, prova do "BBB" se revelou um erro grave

Melhor da semana
Novos tempos: rejeição a Karol foi toda construída fora da edição na TV

Podcast
Público detesta Karol Conká, mas BBB não existe sem vilões

Uma versão deste texto foi publicada originalmente na newsletter UOL Vê TV, que é enviada às quintas-feiras por e-mail. Para receber, gratuitamente, é só se cadastrar aqui.

Siga a coluna no Facebook e no Twitter.

** Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do UOL