PUBLICIDADE
Topo

Mauricio Stycer

OPINIÃO

Texto em que o autor apresenta e defende suas ideias e opiniões, a partir da interpretação de fatos e dados.

O "BBB 21" está sugando toda a energia da televisão brasileira

Mauricio Stycer

Mauricio Stycer é jornalista desde 1985. Repórter e crítico do UOL, colunista da Folha de S.Paulo, passou por Jornal do Brasil, Estadão, Folha, Lance!, Época, CartaCapital, Glamurama Editora e iG. É autor de "Topa Tudo por Dinheiro - As muitas faces do empresário Silvio Santos" (editora Todavia, 2018).

Colunista do UOL

08/02/2021 14h31

Após duas semanas no ar, tenho a impressão de que o "BBB 21" ocupou um espaço maior do que deveria na nossa mente. Só se fala do reality show nas redes sociais. Não tem outro assunto na TV? Este é o problema.

Janeiro começou devagar. É sempre assim, mas foi ainda pior por consequência da pandemia de coronavírus. O BBB reinou quase sozinho.

A Record fez a sua parte e lançou duas novidades importantes: o programa de auditório "A Noite é Nossa" e a novela bíblica "Gênesis".

A ideia do programa de Geraldo Luis é muito boa, uma homenagem aos grandes apresentadores da TV (Flavio Cavalcanti, Chacrinha, Silvio Santos), mas a atração ainda não encontrou o tom certo. Precisava ter mais atrações, ser mais alegre. Acho o programa arrastado.

Já a novela, é um grande sucesso de audiência, na faixa dos 15 pontos, mas é destinada a um nicho de público. Quem gosta, está feliz. Encontrou na trama de "Gênesis" um conforto. Não é o meu caso.

Outra atração de janeiro foi o "The Voice Mais", da Globo, que também está se saindo muito bem ao trazer participantes veteranos, misturando famosos e anônimos. Mas, colocado aos domingos, na hora do almoço, desperdiça uma parte do seu potencial.

O SBT voltou com o Ratinho, que também tem uma audiência cativa. Mas as novidades de 2021 não parecem tão novas assim e o público, até agora, ainda não se animou muito.

Fevereiro promete algumas novidades. O "Conversa com Bial" volta mais cedo, já a partir desta semana, e logo entrevistando Woody Allen. Ótima opção, ainda que com horário meio impeditivo. Costumo assistir no dia seguinte de manhã.

A Globo também está exibindo na TV séries já apresentadas no Globoplay. Coisas boas, como "Shipados", "Todas as Mulheres do Mundo", "Arcanjo Renegado". Mas nada capaz de roubar a atenção do BBB.

Acho que a coisa só vai melhorar mesmo em março. Com duas atrações. Na Globo, a volta de "Amor de Mãe". E no SBT, se a vacina permitir, a volta de Silvio Santos.

Espero que sejam capazes de, pelo menos, dividir o espaço com o BBB no nosso imaginário. O reality show, por enquanto, está sugando toda a energia da televisão.

** Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do UOL