PUBLICIDADE
Topo

Mauricio Stycer

Na divulgação da novela "Gênesis", Record abraça a teoria criacionista

Mauricio Stycer

Mauricio Stycer é jornalista desde 1985. Repórter e crítico do UOL, colunista da Folha de S.Paulo, passou por Jornal do Brasil, Estadão, Folha, Lance!, Época, CartaCapital, Glamurama Editora e iG. É autor de "Topa Tudo por Dinheiro - As muitas faces do empresário Silvio Santos" (editora Todavia, 2018).

Colunista do UOL

18/01/2021 14h25Atualizada em 19/01/2021 16h15

A Record estreia nesta terça-feira (19) a novela bíblica "Gênesis". Na divulgação da nova produção, a emissora está promovendo também a teoria (ou, segundo muitos, a "crença") criacionista, que se opõe ao evolucionismo e interpreta o relato da Bíblia de forma literal, ou seja, considera o mito da Criação como fiel à realidade.

"Gênesis" é uma produção caprichada. Vai ter cerca de 150 capítulos, divididos em sete histórias diferentes: Criação; Dilúvio; Torre de Babel; Ur dos Caldeus; Abraão; Jacó e José.

Como outras novelas bíblicas, desde "Os Dez Mandamentos", de 2015, "Gênesis" busca transformar em imagens e narrativa de folhetim o que está em um texto religioso. Mesmo quem não acredita fielmente nos relatos, consegue se entreter com as novelas.

A novidade é que a Record resolveu enfatizar que a história contada em "Gênesis" é um retrato verdadeiro, real, da criação do universo. Que foi tudo planejado por Deus e ocorreu exatamente daquela forma.

O criacionismo se opõe ao evolucionismo, uma teoria científica que, desde o século 19, procura explicar a nossa diversidade como fruto da evolução por seleção natural, e não por um milagre de Deus.

Em uma série de reportagens na semana passada, o "Jornal da Record" prometeu mostrar "evidências científicas da criação do mundo relatada na Bíblia". Para isso, o telejornal entrevistou profissionais que defendem a teoria criacionista e desmerecem o evolucionismo.

Vou reproduzir uma fala do repórter Fabio Menegatti, da Record, que deixa clara a posição da emissora:

"Quando se fala da origem de todas as coisas, tendo como base os textos da Bíblia sagrada, assim como mostra a novela 'Gênesis', tem-se como verdade a visão criacionista do mundo. Quem partilha deste princípio sabe que foi Deus o grande criador. É o que defende a Sociedade Criacionista Brasileira. Fundada há quase 50 anos, a SCB chama constantemente a atenção para o fato de que a criação ocorreu sob um planejamento de Deus, e não como uma mera obra do acaso, como supõe o evolucionismo".

Para além do entretenimento, "a Record deixa claro que Gênesis" é também uma ferramenta para a difusão desta teoria.