PUBLICIDADE
Topo

Mauricio Stycer

Documentário resgata perseguição da ditadura ao jornalista Helio Fernandes

Helio Fernandes dá depoimento ao documentário "Confinado", que relata o período em que foi confinado em Pirassununga - Reprodução
Helio Fernandes dá depoimento ao documentário "Confinado", que relata o período em que foi confinado em Pirassununga Imagem: Reprodução
Mauricio Stycer

Mauricio Stycer é jornalista desde 1985. Repórter e crítico do UOL, colunista da Folha de S.Paulo, passou por Jornal do Brasil, Estadão, Folha, Lance!, Época, CartaCapital, Glamurama Editora e iG. É autor de "Topa Tudo por Dinheiro - As muitas faces do empresário Silvio Santos" (editora Todavia, 2018).

Colunista do UOL

11/01/2021 06h01

O jornalista Helio Fernandes tem duas datas de nascimento: 17 de outubro de 1920 e 11 de janeiro de 1921. É esta segunda que está sendo considerada a oficial para as comemorações do seu centenário.

Jornalista desde os 18, trabalhou em "O Cruzeiro", "Diário Carioca", rádio Mauá e "Manchete", entre outros, mas foi na "Tribuna da Imprensa" que fez o seu nome. Em 1962, Helio adquiriu o jornal, que pertencia ao amigo Carlos Lacerda (1914-1977), e permaneceu à frente da publicação até 2008, quando encerrou suas edições impressas.

Como outros jornais, a "Tribuna da Imprensa" foi alvo de vigilância, censura e proibição de circulação durante a ditadura (1964-1985). Crítico do regime, Helio teve os seus direitos políticos cassados e foi preso ou detido para interrogatórios dezenas de vezes no período.

Em 1967, sem condenação judicial, foi enviado a Fernando de Noronha para um período de confinamento. O motivo teria sido um artigo com críticas ao ex-presidente Castelo Branco (1897-1967), que morreu meses após deixar a presidência.

Ao final de um mês, o governo militar decidiu manter Helio confinado, mas em outro local, em um quartel em Pirassununga (SP), onde passou mais 30 dias.

Nascido nesta cidade, o jornalista Mario Rezende sempre ouviu falar da história do confinamento de Helio, até que resolveu reconstituí-la. O resultado é o documentário "Confinado", com 30 minutos, lançado no You Tube.

Rezende, que trabalha na Band e tem passagens por Globo, SBT e Record, ouve os depoimentos de Helio, de familiares e de pessoas que conviveram com o jornalista durante o confinamento, em Pirassununga.

Irmão de Millôr Fernandes (1923-2012), Helio registrou o duplo período de confinamento no livro "Recordações de um Desterrado em Fernando de Noronha" (disponível em sebos). Lúcido aos 100 anos, o jornalista segue afiado e combativo, escrevendo comentários de análise política em seu perfil no Facebook.

Abaixo, o documentário de Mario Rezende.

** Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do UOL