PUBLICIDADE
Topo

Mauricio Stycer

JN elogia qualidade de Vannucci que causou sua saída da Globo em 1999

Mauricio Stycer

Mauricio Stycer é jornalista desde 1985. Repórter e crítico do UOL, colunista da Folha de S.Paulo, passou por Jornal do Brasil, Estadão, Folha, Lance!, Época, CartaCapital, Glamurama Editora e iG. É autor de "Topa Tudo por Dinheiro - As muitas faces do empresário Silvio Santos" (editora Todavia, 2018).

Colunista do UOL

25/11/2020 12h49

A morte de Fernando Vannucci serviu para a Globo reconhecer publicamente que mudou de opinião sobre como enxerga o papel do apresentador de programas esportivos.

Em 1998, Vannucci foi colocado na geladeira após ser flagrado ao vivo comendo uma bolacha, na volta de um intervalo do "Esporte Espetacular". Era proibido levar comida para o estúdio, e o apresentador desrespeitou a regra.

O episódio marcou o início do fim da relação de Vannucci com a Globo. No ano seguinte, deixou a emissora onde trabalhava desde 1973.

Nos anos seguintes à saída de Vannucci, a Globo passou a enxergar o esporte também como entretenimento, e não apenas jornalismo. É quando os programas esportivos - e os apresentadores - passam a imprimir um tom mais descontraído, com brincadeiras e piadas no ar.

Na era de Tiago Leifert e Alex Escobar, aparecer ao vivo comendo um biscoito seria considerado uma gracinha sem maiores consequências.

Não por acaso, a reportagem de dois minutos do "Jornal Nacional" que noticiou a morte de Vannucci nesta terça-feira (24) e lembrou de sua trajetória fez questão de elogiar justamente a informalidade do apresentador.

"A notícia é triste, mas ele no vídeo era a própria alegria. O lado informal, boa praça, apareceu na Globo Minas em 1973. Depois, no Rio de Janeiro, virou a cara do Globo Esporte", disse o repórter Marcos Uchoa.

"O Vannucci deu o primeiro toque de descontração: Gol de cabeça! Esse até eu faria!", lembrou Cleber Machado.

"Esporte é brincadeira, esporte é alegria. Ou pelo menos essa é a intenção e essa era a visão de Fernando Vannucci", sublinhou Uchoa.

A reportagem trouxe, ainda, depoimentos de Galvão Bueno e Tadeu Schmidt com elogios a Vannucci.

** Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do UOL