PUBLICIDADE
Topo

Mauricio Stycer

Ricardo Waddington assume comando do entretenimento da Globo; Schroder sai

Ricardo Waddington - Zé Paulo Cardeal/TV  Globo
Ricardo Waddington Imagem: Zé Paulo Cardeal/TV Globo
Mauricio Stycer

Mauricio Stycer é jornalista desde 1985. Repórter e crítico do UOL, colunista da Folha de S.Paulo, passou por Jornal do Brasil, Estadão, Folha, Lance!, Época, CartaCapital, Glamurama Editora e iG. É autor de "Topa Tudo por Dinheiro - As muitas faces do empresário Silvio Santos" (editora Todavia, 2018).

Colunista do UOL

19/11/2020 14h53Atualizada em 19/11/2020 19h14

Diretor-geral da Globo entre 2013 e 2019 e atualmente na função de diretor de criação e produção de conteúdo, Carlos Henrique Schroder anunciou nesta quinta-feira (19) que está deixando a função e, após a transição, a empresa.

A área de entretenimento da Globo será comandada a partir de dezembro por Ricardo Waddington, atualmente na função de diretor de produção. Schroder fica no cargo até o mês que vem.

Schroder - Zé Paulo Cardeal/TV Globo - Zé Paulo Cardeal/TV Globo
Carlos Henrique Schroder, ex-diretor-geral da Globo
Imagem: Zé Paulo Cardeal/TV Globo

Em nota interna, Jorge Nóbrega, presidente-executivo da Globo, informou: "Schroder continuará ocupando a diretoria executiva de criação e produção de conteúdo, até que o processo do novo modelo esteja concluído, período durante o qual seguirá liderando as áreas de esporte, jornalismo e entretenimento. Agradeço sua generosidade ao sacrificar projetos pessoais e dilatar seu prazo de permanência conosco para poder colaborar na conclusão dessa tarefa tão essencial para o nosso projeto de construção da Globo do futuro. Ao Ricardo W., meus votos de muito sucesso na sua nova função."

Schroder comunicou a mudança numa reunião online, via zoom, com a presença de mais de 400 pessoas, entre as quais Tony Ramos, Luciano Huck, Marina Ruy Barbosa, Fatima Bernardes e Silvio de Abreu. Vários deles fizeram discursos emocionados após o anúncio de Schroder.

Perto do fim da reunião, após vários discursos emocionados, um momento cômico quebrou a solenidade. A atriz Elizabeth Savalla entrou atrasada na reunião perguntando: "Alguém pode me explicar o que está acontecendo?". Outro detalhe engraçado: Cissa Guimarães acompanhou a reunião sentada numa cadeira de dentista.

Há dois dias, na terça-feira (17), Jorge Nóbrega informou que Sergio Valente, diretor de marca e comunicação da Globo, deixará o cargo no final de dezembro. Ele será sucedido por Manuel Falcão, que já integra a equipe como diretor de marketing e operações.

Valente chegou à Globo há mais de sete anos, após Schroder ser nomeado diretor-geral e ajudou a reformular e modernizar a imagem da empresa.

Em novembro de 2019, há um ano, a Globo anunciou uma profunda mudança na sua estrutura interna. TV Globo, Globosat, Som Livre, Globo.com e DGCorp (Diretoria de gestão corporativa) passaram todos a formar uma única empresa, chamada Globo. Nesta mudança, Schroder perdeu o cargo de diretor-geral.

A nova estrutura estabeleceu que a produção de conteúdo seria separada da gestão dos canais e serviços. Assim, a empresa passou a ter um executivo no comando de canais Globo (Paulo Marinho), outro no de produtos e serviços digitais (Erick Brêtas) e um na criação & produção de conteúdo (Carlos Henrique Schroder).

Um ano antes, em dezembro de 2018, numa outra mudança, a Globo anunciou uma significativa alteração no comando de unidades estratégicas nas áreas de entretenimento e jornalismo. A movimentação foi motivada pelo anúncio da saída de Eduardo Figueira, diretor de produção da emissora. Waddington, até então diretor de programas de variedades e multittelas, foi escalado para substituir Figueira.

Escrevi na ocasião: "Por que colocar um quadro dos mais criativos da empresa em uma função técnica? O comando dos principais programas de entretenimento da Globo era dividido, até então, entre Waddington e Boninho. A ida do primeiro para a área de produção seria, à primeira vista, uma vitória do poder de influência do segundo. Mas também há, na emissora, quem enxergue que este novo cargo oferece ao executivo a possibilidade de adquirir uma visão mais ampla da empresa, o que o cacifa para voos mais altos".

Organograma Globo - Reprodução - Reprodução
Novo organograma da Globo anunciado em novembro de 2019
Imagem: Reprodução

Abaixo, a íntegra da nota de Nóbrega comunicando a mudança:

'Caros,

Gostaria de compartilhar com vocês algumas notícias de grande impacto para todos nós.

A primeira trata da proximidade do encerramento do ciclo profissional de Carlos Henrique Schroder na Globo. Com 35 anos de casa, Schroder construiu uma trajetória impressionante de sucesso em televisão a partir de sua estreia na RBS em Porto Alegre, em 1982, como editor do telejornal Bom Dia Rio Grande. Em 1985, ingressou na TV Globo como coordenador de Rede, passando a editor-chefe do Jornal Hoje, editor de Assuntos Nacionais do Jornal Nacional, diretor editorial de Produção e Planejamento da Central Globo de Jornalismo, diretor-geral de Jornalismo e Esporte em 2001, diretor-geral da TV Globo em 2013 e diretor-executivo de Criação e Produção de Conteúdo da Globo em 2020. Com sua energia e capacidade de realização inigualáveis, foi galgando posições na empresa, juntando a rara capacidade de gerir o ativo mais importante da empresa - a produção de conteúdo de alta qualidade - com incessante foco em resultado e visão integrada de todo o processo empresarial. Ao assumir a TV Globo, Schroder reformulou a empresa e estimulou a construção de uma visão de negócios, que foi o embrião do caminho que estamos agora perseguindo. Durante sua gestão, a TV Globo conquistou diversos prêmios, entre eles oito Emmys em entretenimento e jornalismo. Creio que não houve, na história do Grupo Globo, um exemplo tão impactante de evolução profissional, demonstrando a aposta e a confiança no talento que a Globo sempre preconizou.

No início de 2017, em seu planejamento de carreira, Schroder acordou com nossos acionistas que contribuiria com a empresa por mais quatro anos, estabelecendo um prazo para a sua permanência até o final de 2020. Combinamos, recentemente, que ele prorrogaria um pouco mais, até a conclusão de todo o desenho organizacional da área de Entretenimento, o que deve ocorrer até meados do ano que vem.

Acertamos também, que esse trabalho de redesenho organizacional deveria ser conduzido, a partir de agora, junto com o executivo que respondesse pela direção do Entretenimento, cargo que Schroder vinha acumulando com a Diretoria Executiva de Criação e Produção de Conteúdo da Globo. Dessa forma, convidamos o Ricardo Waddington, que estará assumindo essa posição de diretor do Entretenimento no dia 1º de dezembro.

Ricardo tem uma trajetória de grandes sucessos como diretor de importantes produções, incluindo Mulheres Apaixonadas, Avenida Brasil, Presença de Anita e muitas outras. No Entretenimento da TV Globo há 37 anos, Ricardo exerceu as funções de assistente de direção, diretor de programa, diretor de núcleo e diretor de gênero até assumir a liderança da produtora em 2018, onde vem demonstrando grande capacidade de gestão, combinando esta visão do mundo artístico com as necessidades do negócio e levando a produtora a buscar excelência e foco em resultado.

Schroder continuará ocupando a Diretoria Executiva de Criação e Produção de Conteúdo, até que o processo do novo modelo esteja concluído, período durante o qual seguirá liderando as áreas de Esporte, Jornalismo e Entretenimento. Agradeço sua generosidade ao sacrificar projetos pessoais e dilatar seu prazo de permanência conosco para poder colaborar na conclusão dessa tarefa tão essencial para o nosso projeto de construção da Globo do futuro.

Ao Ricardo W., meus votos de muito sucesso na sua nova função.

Jorge Nóbrega

Presidente-executivo da Globo'

** Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do UOL