PUBLICIDADE
Topo

Melhor decisão da "Fazenda 12" foi excluir ex-BBBs do elenco

Cartolouco e Biel provocam primeira punição em A Fazenda - Reprodução/TV Record
Cartolouco e Biel provocam primeira punição em A Fazenda Imagem: Reprodução/TV Record
Mauricio Stycer

Mauricio Stycer é jornalista desde 1985. Repórter e crítico do UOL, colunista da Folha de S.Paulo, passou por Jornal do Brasil, Estadão, Folha, Lance!, Época, CartaCapital, Glamurama Editora e iG. É autor de "Topa Tudo por Dinheiro - As muitas faces do empresário Silvio Santos" (editora Todavia, 2018).

Colunista do UOL

09/09/2020 00h41

A escolha dos participantes da "Fazenda" envolve intuição, sorte e alguma ciência. Depois de tantas edições, com erros e acertos, a direção do reality se apegou a alguns princípios e abriu mão de outros em nome do nosso divertimento.

A cota de ex-panicat, por exemplo, continua obrigatória. É uma espécie de talismã da "Fazenda". Ajuda a compor o time, contribui com cenas engraçadas, mas nunca chega no título. É um destino que Carol Narizinho tentará mudar em 2020.

Este ano, a cota de ex-atleta não foi preenchida. Achei positivo. Nem mesmo mulher de ex-atleta teve, como alguns previram. É uma vaga que costuma acrescentar pouco ao reality.

Uma grande novidade foi a inclusão de dois ex-participantes da "Casa dos Artistas", reality de confinamento pioneiro no Brasil. Mateus Carrieri participou da primeira - e histórica - edição. Já Luiza Ambiel, famosa pela "banheira do Gugu", esteve na terceira edição.

A experiência com ex-participantes do "De Férias com o Ex", da MTV, funcionou bem na edição passada e foi repetida este ano com Stéfani Bays e Lipe Ribeiro. Para o público da "Fazenda", são figuras praticamente anônimas, embora se achem famosas, e bem desinibidas. Isso é muito bom.

Já a experiência com ex-BBBs, iniciada na "Fazenda 9" e continuada nas duas edições seguintes, foi abandonada, felizmente.

Para quem não se lembra, em 2017 entraram cinco ex-BBBs. Flavia Viana ganhou o programa, seguida de Marcos Harter e Matheus Lisboa. Em 2018, só houve Ana Paula Renault, que teve uma participação esquecível. E no ano passado, Harianny Almeida e Diego Grossi disputaram o reality, ficando em segundo e terceiro lugares, respectivamente.

Todos estes ex-BBBs já chegaram no reality da Record com fã-clubes e haters organizados. Ainda que pareça vantajoso, não é algo que contribua para "A Fazenda". Por conta da popularidade prévia, eles acabam indicando caminhos previsíveis para o jogo.

Faz muito mais sentido pescar os participantes em programas com menor popularidade, como o reality da MTV.

Ibope da estreia é promissor

Dados prévios do Ibope indicam que "A Fazenda" marcou 13,2 pontos na estreia em São Paulo. No mesmo horário, a Globo registrou média de 17,7 e o SBT apenas 5,8. A Record ficou em primeiro lugar por 15 minutos.

Na estreia de "A Fazenda 11", no ano passado, a Record marcou média de 9,6 pontos. Ou seja, a se confirmar o número prévio, houve um crescimento de cerca de 40%.

** Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do UOL