PUBLICIDADE
Topo

Globo cresce no Ibope em 2020 e ganha público entre crianças e adolescentes

O maior crescimento da Globo em 2020 ocorreu na faixa das 19h, com "Salve-se Quem Puder" e "Totalmente Demais" - Divulgação
O maior crescimento da Globo em 2020 ocorreu na faixa das 19h, com "Salve-se Quem Puder" e "Totalmente Demais" Imagem: Divulgação
Mauricio Stycer

Mauricio Stycer é jornalista desde 1985. Repórter e crítico do UOL, colunista da Folha de S.Paulo, passou por Jornal do Brasil, Estadão, Folha, Lance!, Época, CartaCapital, Glamurama Editora e iG. É autor de "Topa Tudo por Dinheiro - As muitas faces do empresário Silvio Santos" (editora Todavia, 2018).

Colunista do UOL

11/08/2020 06h01

No balanço dos primeiros sete meses de 2020, ano absolutamente atípico por causa da pandemia de coronavírus, a Globo está registrando crescimento de audiência único na comparação com as suas concorrentes. De quebra, a emissora viu a chegada de um público que andava longe da TV aberta, as crianças e os adolescentes.

Na faixa das 7h às 24h, a Globo registrou média 16 pontos e 36% de share (percentual dos aparelhos ligados) no PNT (Painel Nacional de Televisores), que reúne a audiência de 15 grandes centros urbanos. Trata-se de um crescimento, arredondado, de um ponto em relação ao mesmo período de 2019, enquanto as principais concorrentes caíram ou mantiveram seus índices de 2019.

Os números se referem ao chamado "Total de ligados especial", que exclui a audiência de computadores, videogames, tablets e telefones.

No horário das 24h (6h às 5h59), a média se manteve em 13 pontos e 35% de share. No horário nobre (18h às 24h), o crescimento da Globo foi de dois pontos (24 pontos de audiência e 40% de share) em relação ao ano passado.

O crescimento aconteceu entre todas as faixas etárias, mas a novidade foi o público infanto-juvenil. Na comparação com o mesmo período de 2019, o público infantil (entre 4 e 11 anos) cresceu 13% enquanto o de adolescentes (12 a 17 anos) cresceu 12% na faixa das 7h às 24h. No horário nobre o crescimento foi de 23% e 22%, respectivamente.

As novelas, além de ganharem público entre crianças (4 a 11 anos), adolescentes (12 a 17 anos) e os aqui chamados jovens (18 a 24 anos), também cresceram entre o público masculino. O levantamento vai de 1º de janeiro a 31 de julho. A partir do final de março, a Globo exibiu reprises em todas as faixas.

O Vale a Pena Ver de Novo, com "Avenida Brasil" e "Êta Mundo Bom", registrou média de 21 pontos, quatro a mais do que em 2019. Houve um impressionante aumento de 38% entre o público masculino e 30% entre o público feminino. Olhando a idade, houve um crescimento de audiência de 37% no público infantil, 42% entre adolescentes e 35% entre jovens.

"Malhação", com "Toda Forma de Amar" e a reprise de "Viva a Diferença", alcançou média de 20 pontos, dois a mais do que em 2019. Houve crescimento entre homens (de 21%), mulheres (16%), crianças (26%), adolescentes (27%) e jovens (21%).

Na faixa das 18h, com "Éramos Seis" e "Novo Mundo", a emissora marcou média de 21 pontos, um a mais do que em 2019, também com crescimento entre homens (9%), mulheres (7%), crianças (15%), adolescentes (19%) e jovens (9%).

Já com "Salve-se Quem Puder" e "Totalmente Demais", na faixa das 19h, o salto da Globo de 2019 para 2020 foi de quatro pontos, chegando a uma média de 29, com crescimento muito significativo entre crianças (33%), adolescentes (38%) e jovens (22%).

Por fim, com "Amor de Mãe" e "Fina Estampa", a emissora registrou média de 31 pontos, um crescimento de dois pontos em relação a 2019. Também aqui, o aumento de público mais significativo ocorreu entre crianças (28%), adolescentes (27%) e jovens (15%).

As duas explicações mais óbvias, ainda que não as únicas, para estes números são a crise econômica e a pandemia. Com menos opções de lazer, sem aulas e forçadas a ficar em casa, pessoas de todas as idades consumiram mais a programação da Globo nestes sete meses.

Nunca houve uma guerra de fã-clubes como em "Totalmente Demais"

** Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do UOL