PUBLICIDADE
Topo

Marcelle Carvalho

REPORTAGEM

Texto que relata acontecimentos, baseado em fatos e dados observados ou verificados diretamente pelo jornalista ou obtidos pelo acesso a fontes jornalísticas reconhecidas e confiáveis.

Atrizes tiveram que vencer o medo da pandemia para gravar 'Aruanas'

Natalie (Débora Falabella), Luiza (Leandra Leal), Verônica (Taís Araujo) e Clara (Thainá Duarte): quarteto que luta contra crimes ambientais em "Aruanas" - Maurício Fidalgo/TV Globo/Divulgação
Natalie (Débora Falabella), Luiza (Leandra Leal), Verônica (Taís Araujo) e Clara (Thainá Duarte): quarteto que luta contra crimes ambientais em 'Aruanas' Imagem: Maurício Fidalgo/TV Globo/Divulgação
Conteúdo exclusivo para assinantes
Marcelle Carvalho

Marcelle Carvalho é jornalista que cobre, há duas décadas, o universo da televisão. Suas maiores paixões são novelas e séries, que serão abordadas aqui a partir da visão de quem vê e de quem faz.

Colunista do UOL

23/11/2021 21h17

A chegada de "Aruanas" ao Globoplay, nesta quinta-feira (25), é o que faltava para fechar , ao lado de "Sob Pressão" e "Segunda Chamada", o trio de séries debruçadas na realidade. Dessa vez, a nova temporada traz um inimigo invisível para ser combatido pela ONG das ativistas Natalie (Débora Falabella), Verônica (Taís Araújo), Luísa (Leandra Leal) e Clara (Thayná Duarte): a poluição do ar. Coincidentemente, equipe e atores tiveram que vencer um outro inimigo para conseguirem realizar a obra de Estela Renner e Marcos Nisti: o temor pelo coronavírus.

Tinha um medo, tudo era extremamente esterilizado, vários protocolos necessários, mas era tudo muito novo. Aos poucos a gente foi se sentindo seguro", afirma Débora.

Leandra lembra que foi fundamental ter o trabalho para atravessar esse momento complicado:

Importante ter que vencer o medo de sair de casa, confiar nos meus amigos de elenco, fizemos um pacto de proteger, cuidar um do outro. Foi um aprendizado gigantesco. Eu não sei se qualquer trabalho me tiraria de casa. Cada vez que eu ia pro set, eu vencia o medo e também me enchia de esperança", relatou.

Recomeçar todo o processo de onde tinham parado, deu a Camila Pitanga, a vilã Olga, sensação de uma nova vida.

A gente teve uma conversa, uma preparação à distância, e foi emocionante repensar toda a série, voltar a viver. Teve um processo de recomeçar. Como ensaia sem sentir o rosto inteiro, olhando o rosto com uma máscara?", relembrou a atriz.

Peso também sentiu o diretor artístico André Felipe Binder. Ele não esconde que tirou uma tonelada das costas ao finalizar este trabalho.

Nunca senti tanta responsabilidade com a segurança de todo mundo no set. Tivemos várias locações, hotéis, era um baile de máscara. Em boa parte da produção, a gente via apenas os olhos das pessoas. Era muita preocupação. Todo mundo era testado. Não tivemos um caso no set. Foi um enorme desafio, mas muito especial", conta Felipe.

Refazer laços

A segunda temporada chega com 10 episódios e a amizade das três amigas abalada. Mais a de Natalie e Verônica, que foi embora do Brasil, após a jornalista descobrir o caso do marido com a advogada.

Na verdade, Natalie está mais arrasada com o rompimento com Verônica do que do marido", brinca Débora, avisando que a personagem chega bem destroçada nessa edição:

O lado pessoal dela está abalado e desequilibrado. Apesar de levar a sério o trabalho e tentar não misturar, uma coisa vai invadindo a outra. Mas acredito na redenção dessas duas mulheres, na amizade não só delas, mas de Luisa também. São heroínas por estrem lutando por tudo que diz respeito a nós".

Taís confessa que perturbou os autores para saber como ficara a relação das amigas na nova temporada.

Queria saber como eles iam fazer para reconstruir isso. Esperamos muito por esse momento, que, olha, vai demorar para acontecer", adianta.

Quarta mosqueteira

Thayná Duarte está mais inserida do que nunca na ONG Aruanas. Se na primeira edição ela era a estagiária, agora, até trabalhar infiltrada Clara vai fazer. O que mostra uma maior coesão com o trio de protagonistas.

Ela chega mais determinada, segura para fazer as próprias escolhas. Clara fica infiltrada com Pontocom (Ravel Andrade) na fictícia cidade. Fingem ser um casal. E isso acontece de verdade, fazem isso por amor a causa mesmo. Deixam família, suas vidas, para lutar por um bem comum", conta a atriz.

Mergulhando fundo nas quetões que Aruanas traz, Thayná diz que sua percepção da causa ambiental ganhou muito mais significado.

Quando a gente toma mais consciência do que está acontecendo, não ej como não ter um movimento interno, me posicionar de uma forma que não faria antes. Mudou meu olhar e o entendimento sobre a relevância do que se fala."

Entenda a série

Há anos se debate sobre os efeitos da poluição atmosférica sem uma solução definitiva. A luta pelo direito fundamental de respirar um ar puro parece cotidiana e fruto de uma causa perdida, mas não para todos. Para as ativistas da fictícia ONG Aruana, essa é uma guerra que não chegou ao fim. Para Natalie, Luiza, Verônica e o desafio agora é contra uma epidemia silenciosa, que faz milhares de vítimas precoces ao redor do mundo e custa bilhões a economias internacionais: a poluição urbana.

A nova história de "Aruanas" agora se passa em uma pequena cidade fictícia e ganha novos personagens. Entre eles, o prefeito Enzo, interpretado por Lázaro Ramos, e Théo, o novo investidor e presidente do conselho da ONG, vivido por Daniel de Oliveira.