PUBLICIDADE
Topo

Marcelle Carvalho

REPORTAGEM

Texto que relata acontecimentos, baseado em fatos e dados observados ou verificados diretamente pelo jornalista ou obtidos pelo acesso a fontes jornalísticas reconhecidas e confiáveis.

'Nos Tempos do Imperador' estreia com mais da metade dos capítulos gravados

Dom Pedro II (Selton Mello) fica dividido entre o amor por Luísa (Mariana Ximenes) e o casamento com Teresa Cristina (Letícia Sabatella) - Divulgação/TV Globo/João Miguel Jr
Dom Pedro II (Selton Mello) fica dividido entre o amor por Luísa (Mariana Ximenes) e o casamento com Teresa Cristina (Letícia Sabatella) Imagem: Divulgação/TV Globo/João Miguel Jr
Conteúdo exclusivo para assinantes
Marcelle Carvalho

Marcelle Carvalho é jornalista que cobre, há duas décadas, o universo da televisão. Suas maiores paixões são novelas e séries, que serão abordadas aqui a partir da visão de quem vê e de quem faz.

Colunista do UOL

30/07/2021 04h25

A gente sempre ouviu que novela é uma obra aberta. Tal característica faz com que a condução da história possa ser ajustada enquanto ela é exibida. O que não deve acontecer com "Nos Tempos do Imperador", trama inédita da TV Globo, que ocupará a faixa das 18h, a partir do dia 9 de agosto. Os autores Alessandro Marson e Thereza Falcão já finalizaram toda a obra e a previsão é a novela ir ao ar com cerca de 70% dos capítulos prontos. Poucas sequências ainda serão gravadas até setembro ou outubro. "Nos Tempos do Imperador" terá 155 capítulos e deverá ser exibida por cinco meses.

O mesmo vai acontecer com "Um Lugar ao Sol", a próxima inédita das 21h. Quando a novela de Lícia Manzo der o ar da graça, toda a trama que terá um pouco mais de 100 capítulos já estará escrita. Paira a dúvida sobre o mês de estreia: outubro ou novembro. A produção corre para que as gravações estejam concluídas em setembro.

Depois de reprises que foram ao ar em regime de urgência, as novas estreias estão trazendo suas histórias já fechadas. A gente se anima por serem novelas inéditas, claro. Mas não dá para negar que a torcida também é para que possamos voltar a ter a possibilidade, em um futuro próximo, de dar pitacos que possam mudar, eventualmente os rumos dos personagens que amamos e odiamos. Ou mesmo vermos situações cotidianas que acabem invadindo a ficção. Este é o delicioso sabor da obra aberta.