PUBLICIDADE
Topo

Marcelle Carvalho

OPINIÃO

Texto em que o autor apresenta e defende suas ideias e opiniões, a partir da interpretação de fatos e dados.

Orlando Drummond: uma voz que nunca vai se calar

Orlando Drummond, humorista e dublador - reprodução/Instagram
Orlando Drummond, humorista e dublador Imagem: reprodução/Instagram
Conteúdo exclusivo para assinantes
Marcelle Carvalho

Marcelle Carvalho é jornalista que cobre, há duas décadas, o universo da televisão. Suas maiores paixões são novelas e séries, que serão abordadas aqui a partir da visão de quem vê e de quem faz.

Colunista do UOL

28/07/2021 02h21

O ano era 1992. Eu estava de férias com a minha família no Parque das Águas, em São Lourenço (MG), quando uma voz chamou minha atenção para uma loja de lembrancinhas: "É o Seu Peru!", eu disse para minha mãe. Sim, era Orlando Drummond. Muito simpático, parou para tirar fotos e, fazendo a clássica pose do personagem com a mão embaixo do queixo, disparava o bordão do espalhafatoso aluno do Professor Raimundo: "Estou porraqui!". Tal momento sempre voltava a minha cabeça toda vez que eu o via ou ouvia sua voz. Voz essa que, lamentavelmente, se calou nesta terça-feira, com a sua morte aos 101 anos.

Orlando era muitos dentro de variados timbres. Um gigante da modulação vocal. Como podia ser ao mesmo tempo o Gato Guerreiro ("He-Man"), marinheiro Popeye, Vingador ("Caverna do Dragão") e Gargamel ("Smurfs") e tantos outros? Aos olhos de uma criança, essa versatilidade do ator, humorista e dublador estava mais para magia. O que eu sabia era que esse 'mágico das vozes' era fera.

Homenagem a Orlando Drummond - Estevam Avellar/TV Globo - Estevam Avellar/TV Globo
Marcos Caruso, que interpreta Seu Peru na nova fase, beija Orlando Drummond na "Escolinha do Professor Raimundo"
Imagem: Estevam Avellar/TV Globo

E ainda tem o Scooby Doo. Não há outra voz que personifique o adorável e medroso cachorro do Salsicha. Foram mais de 35 anos dublando o personagem, o que lhe deu a passagem para o Guinness Book, o livro do recordes. Orlando também foi "abduzido" por um simpático extraterrestre na série "Alf, o ETeimoso". Um timbre meio entalado fez da criatura protagonista a sensação nas tardes de domingo, da TV Globo, nos anos 80.

Orlando não estava mais na ativa, mas não recusou o convite para filmar "De Perto Ela Não É Normal", aos 99 anos. Sua disposição e memória eram de surpreender. Aos 100, ganhou uma bela homenagem da "Escolinha do Professor Raimundo", em 2019. O artista se vestiu de Seu Peru e comoveu a todos, tanto na fictícia sala de aula quanto na sala das nossas casas.

Agora, essa emoção se repete. E em uma só voz a gente diz: "Obrigado, Orlando!".

** Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do UOL