PUBLICIDADE
Topo

Luciana Bugni

O Lockdengo de Tierry é gatilho para o solteiro pandêmico de responsa

Gabi Martins e Tierry: tem dengo mas nem sempre tem isolamento - Imagem: Reprodução/Instagram@gabimartins
Gabi Martins e Tierry: tem dengo mas nem sempre tem isolamento Imagem: Imagem: Reprodução/Instagram@gabimartins
Conteúdo exclusivo para assinantes
Luciana Bugni

Luciana Bugni é gerente de conteúdo digital dos canais de lifestyle da Discovery. Jornalista, já trabalhou na "Revista AnaMaria", no "Diário do Grande ABC", no "Agora São Paulo", na "Contigo!" e em "Universa", aqui no UOL. Mora também no Instagram: @lubugni

Colunista do UOL

04/06/2021 04h00

Aviso de gatilho para o solteiro pandêmico de responsa: o Lockdengo de Tierry pode causar reações adversas. O isolado responsável, que vive sexo rarefeito há mais de um ano, pode ter palpitações ao ouvir os versos da música do fazedor de hits.

Convenhamos que viver a pandemia é difícil para todo mundo. Os casados agonizam um recorde no tempo juntos trancados em apartamentos que dificilmente foi vivido antes. Geralmente, na troca de alianças, o casal não imagina que 10 anos depois não vai poder sair de casa mais. E ainda tem que rezar por saúde, tentar evitar a doença a todo custo, enfrentar a pobreza e nem se preocupar com riqueza — o Brasil desta década está difícil.

O solteiro, então, está num perrengue diferente e nem por isso mais fácil de contornar. Trocar fluidos com pessoas desconhecidas é um dos métodos milenares de aplacar carência. Mas também é o método moderno de distribuir vírus. A tristeza que às vezes bate com a solteirice também se resolve encontrando gente, conversando sobre outras coisas e? bem, não vou continuar descrevendo porque todo o jeito inocente de ser feliz como antigamente é uma bomba de transmissão.

A cura para o casal que não aguenta mais só ver um ao outro? Vacina. A cura para quem não aguenta mais esfregar o dedo para lá e para cá num aplicativo? Vacina. Mas Tierry traz outra solução...

Tá todo mundo mal - menos ele

Nessa maré de azar interminável, há um único grupo de sortudos. Os apaixonados. Esse pessoal está feliz. Esse pessoal transa. Esse pessoal — aqui escorre uma lágrima — divide o delivery embaixo do edredom. Entre eles está Tierry.

O rapaz baiano de 31 anos começou a namorar Gabi Martins, também cantora, no fim de 2020. À época, eles cantaram juntos a música dele, Prints, que esclarece que não há traição no começo da relação e há prints que podem provar. Hoje, a história evoluiu: é Gabi que está com o cantor em seu Lockdengo. É para ela que ele canta:

"Não sai não, meu bebê

O status que eu quero com você do lado

É de isolamento sério, nega

Tudo a gente tem aqui

Então pra que sair?"

Tierry explica que lá fora está fazendo medo e eles não devem sair. Toda vez que ele liga a TV, escuta que é para ficar em casa. Então oferece a declaração de amor moderna: "No sossego, aglomerando amor nesse apartamento". Que verso.

Um combo incrível de segurança contra o coronavirus, a carência, o tesão e ainda por cima a fome ("se a fome bater, a gente pede aplicativo/ não perdoaria ver a sua vida em risco"). O lockdengo é quase tão potente quanto a vacina!*

Quem ouve a música pensa que Tierry podia ser o embaixador do isolamento.

Lockdengo é o hino que traz a solução para o Brasil. Simples: amor, delivery e edredon. Aglomerando amor. Se organizem e se apaixonem, o Brasil clama.

Pena que, na prática, a situação é diferente. Tierry já teve Covid duas vezes desde o início da pandemia. Cumpre intensa agenda de trabalho e dá seus passeios por aí. E, para completar, vive saindo com Gabi para fazer cirurgias plásticas e procedimentos estéticos variados.

Eu falo: o pandêmico de responsa é item em extinção. Até os apaixonados na fissura do lockdengo dão suas escapadas. Aí a gente segue assim para 15º mês de pandemia, quase meio milhão de mortos. Aglomerar com a galera é o oposto de aglomerar amor.

Você pode discordar de mim no Instagram.

*(É uma piada: todo mundo tem que se vacinar. Até porquê, dizem, o dengo dá uma esmorecida depois de alguns meses. Se quer saber o que acontece, volte para o segundo parágrafo desse texto.)