PUBLICIDADE
Topo

Luciana Bugni

Galvão vacinado: um cheirinho da vida normal e nossa vida na mão dos idosos

Galvão Bueno volta à TV: metade esperança, metade e eu? - Reprodução/TV Globo
Galvão Bueno volta à TV: metade esperança, metade e eu? Imagem: Reprodução/TV Globo
Conteúdo exclusivo para assinantes
Luciana Bugni

Luciana Bugni é gerente de conteúdo digital dos canais de lifestyle da Discovery. Jornalista, já trabalhou na "Revista AnaMaria", no "Diário do Grande ABC", no "Agora São Paulo", na "Contigo!" e em "Universa", aqui no UOL. Mora também no Instagram: @lubugni

Colunista do UOL

13/04/2021 04h00

Domingo de manhã estava com cheiro de vida normal. Fui pega de surpresa pela TV ligada e a voz de Galvão Bueno narrando um jogo de futebol. Uma saudade que eu nem sabia que sentia. Galvão, já imunizado por duas belas doses de vacina, está apto a voltar ao trabalho no estúdio.

Um privilégio, claro, do início ao fim. Grande estrela da narração da Globo, ele não correu risco de perder o emprego durante a pandemia e pôde se dar ao luxo de ficar recluso. E mesmo se perdesse, não seria isso que mataria sua família (que tem propriedades até em Mônaco) de fome.

Mas segui sensibilizada pela voz carismática de Galvão invadindo minha casa: ele merece ser vacinado tanto quanto qualquer brasileiro e ver que a vez dele chegou é um fiozinho de esperança. Se o narrador volta a se emocionar com futebol, será que a vida de antigamente é possível de novo?

Já adianto que ainda não é.

Apesar de ser um alívio ver os idosos vacinados em nossas redes sociais, nada mudou para mais de 90% dos brasileiros. Quer dizer, mudou sim. Para pior.

Depois de alguns meses emocionada ao ver agulhas entrando, o jogo virou. A vacina que esperei com tanta esperança por um ano para os idosos da família chegou. Que bom. Por outro lado, o vírus deu seus pulos e agora é capaz e matar muito mais pessoas de menos de 40 anos.

Que ironia: passei um ano com medo de passar a doença para algum idoso e agora estou apavorada de medo de pegar de um deles.

Eles, por outro lado, depois de um ano trancados em casa temendo a morte, não parecem tão dispostos a entender que se não tiverem muito cuidado em suas idas à feira ou igreja ou qualquer outro lugar, podem acabar transmitindo, sem sentir, a doença para um jovem. Infelizmente ainda não é hora de grandes reuniões de família. Se avós e avôs ficarem isolados bem comportados, podemos cogitar encontrinhos pequenos, de máscara. E olhe lá. Mas eu aguento ser a última patrulheira da covid? Eu não aguento não.

Foram 13 meses aqui dizendo para os adolescentes segurarem a onda com o argumento mórbido: "você vai acabar matando sua avó". No maior plot twist da história, o perigo agora é a avó matar o neto. Que doencinha danada.

Um aplicativo que me enviaram diz em quantos meses serei vacinada se der tudo certo. Seriam cinco meses fugindo de festinha de família e caindo no desagrado de mais gente — se é que sobrou alguém que ainda gosta de mim. Cinco meses brigando com todo mundo para ninguém sair e passando um medo extremo a cada saída de alguém para trabalhos externos.

Falei para um amigo: não sei mais quanto tempo consigo deixar essa doença longe de mim. Continue tentando, ele respondeu. E os outros brasileiros?

Galvão narrando o jogo me deixa feliz. Parece um pedacinho da vida que eu tinha antes e nem sabia que gostava. Ouço o apresentador frisar os cuidados que precisa manter, já que a pandemia não acabou. Dráuzio Varella explica bem direitinho os caminhos do vírus na atual situação do país em sua coluna para a Folha de São Paulo. Esse negócio de vacinou liberou está bem equivocado. Para saber mais, basta se informar.

Vai que é tua, Galvão. Você e todos os brasileiros vacinados merecem viver melhor que no ano passado. Mas cuide dos seus. E dê o exemplo, como você fez na transmissão de domingo para todos os outros cuidarem da gente também. Haja coração. Vai haver.

Você pode discordar de mim no Instagram.