PUBLICIDADE
Topo

Lucas Pasin

REPORTAGEM

Texto que relata acontecimentos, baseado em fatos e dados observados ou verificados diretamente pelo jornalista ou obtidos pelo acesso a fontes jornalísticas reconhecidas e confiáveis.

Despedidas de Ali Kamel para veteranos demitidos na Globo viram piada

Lucas Pasin

Jornalista há 14 anos, Lucas Pasin já experimentou as mais diversas áreas da profissão. Da rotina em redação aos releases de uma assessoria de imprensa, passando pelo marketing digital e comunicação corporativa. Mas, sem dúvida alguma, foi na cobertura do universo dos famosos que encontrou a maior curiosidade, e talvez, por isso, o maior reconhecimento profissional.

Colunista do UOL

05/05/2022 04h00Atualizada em 05/05/2022 14h39

Com a onda de cortes de custos e demissões foram muitas as despedidas no jornalismo da TV Globo nos últimos meses. Os medalhões da emissora, além de não saírem como demitidos, e sim como "desligados em comum acordo", recebem e-mails assinados pelo diretor de jornalismo, Ali Kamel. Porém, essas cartas têm virado assunto nos corredores e até se tornado motivo de piada entre funcionários.

É que, com a grande demanda de e-mails - foram baixas de nomes como Carlos Tramontina, Chico Pinheiro, Fernando Rêgo Barros, Vico Iasi, Renato Machado, Francisco José, José Hamilton Ribeiro, Ari Peixoto e Eduardo Faustini, entre outros - acredita-se que as despedidas não sejam de fato escritas pelo chefão do jornalismo, e sim por sua secretária, numa espécie de "copia e cola".

"Quando fulano veio me procurar, há XX anos" é uma frase bastante adotada e entrega o tom repetido nas despedidas. A riqueza de detalhes, dias e horários passa algo íntimo, mas não convence mais. Há até brincadeiras para apostar quem está escrevendo as despedidas e, mais, quem será o próximo a ganhar o "presente".

Ali Kamel é diretor de jornalismo da TV Globo - Reprodução - Reprodução
Ali Kamel é diretor de jornalismo da TV Globo
Imagem: Reprodução

A Globo criou, há alguns anos, um departamento que pesquisa, grava e escreve a história de funcionários que marcaram a emissora, pelo talento ou tempo de casa, o Memória Globo. Basta dar uma olhada nesse arquivo para saber que toda a trajetória dos jornalistas demitidos está exposta lá, e não é segredo. Os primeiros e-mails, no início da leva de demissões, tinham adaptação mais pessoal desse material. Porém, com a alta demanda, nem todos ganham tom de intimidade e parecem apenas uma espécie de Wikipédia do novo demitido.

Por estes motivos, conforme este colunista apurou, as despedidas são recebidas nos corredores com sorrisinho no rosto e leve deboche. Além disso, comenta-se que "são e-mails gigantes e que, no fim, todos sabem que ninguém lê com detalhes".