PUBLICIDADE
Topo

Leandro Carneiro

REPORTAGEM

Texto que relata acontecimentos, baseado em fatos e dados observados ou verificados diretamente pelo jornalista ou obtidos pelo acesso a fontes jornalísticas reconhecidas e confiáveis.

Fuso e maternidade. Os desafios da bicampeã olímpica Fabi na TV

Fabi Alvim vai para a segunda Olimpíada como comentarista - João Cotta/Globo
Fabi Alvim vai para a segunda Olimpíada como comentarista Imagem: João Cotta/Globo
Conteúdo exclusivo para assinantes
Leandro Carneiro

Editor de Splash, viciado por qualquer tipo de reality show, inclusive aqueles que os famosos vivem na vida real. Jornalista há mais de 10 anos e palpiteiro desde sempre. Se o assunto for esporte entro em campo também.

Colunista do UOL

27/07/2021 04h00

Um dos principais nomes do time de comentaristas da Globo desde a Olimpíada de 2016, no Rio de Janeiro, a bicampeã olímpica Fabi tem uma novidade na cobertura dos Jogos de Tóquio esse ano. Maria Luiza, sua filha, que recém completou dois anos.

Não bastasse toda a dificuldade de inverter o horário para comentar os jogos na Globo, Fabi tem se desdobrado para dar conta da Olimpíada e da pequena. Afinal, Julia Silva, sua mulher e mãe de Maria Luiza, está em Tóquio, pois é gerente de seleções da Confederação Brasileira de Vôlei (CBV).

"É complicado porque ela ainda é pequena e obviamente não consegue entender a dinâmica. Acha que estou disponível ao me ver em casa, mas nem sempre estou. Ainda estou tentando entrar no fuso, tentando adaptar o sono. A outra mamãe está trabalhando em Tóquio e estou tentando me dividir da melhor forma, para atender as duas coisas, para que ela não sinta a ausência da outra mãe."

Estou vivendo a adrenalina. Mesmo não estando em Tóquio, estou bem conectada aos Jogos. A gente acaba dando conta de tudo.

Um detalhe importante é que Fabi é estudiosa. Não é do tipo de ex-atleta que leva para televisão só a sua experiência de dentro da quadra para os comentários.

"Eu tenho uma rotina de estudos na qual procuro observar o vôlei no mundo todo. Cinco anos depois, um pouco mais experiente, estou doida para viver essa atmosfera de novo, esse clima olímpico, do lado de cá das câmeras.", disse a líbero que esteve no time da Globo no Rio de Janeiro, quando nem tinha largado as quadras ainda.

"Era tudo muito novo. Eu ainda tentava entender como funcionava a minha atuação por trás das câmeras, estava me ambientando, conhecendo o time. Era como se eu tivesse chegando em uma equipe nova, tentando entender como ela funciona. Faz parte da minha personalidade - e dos líberos de maneira geral -, essa coisa de observar bastante e querer contribuir com o time da melhor maneira."

Fabi tem dividido as transmissões da Globo com Fabiana, Thaisa e Sheilla, todas jogadoras que estiveram com ela nas duas medalhas de ouro, em Pequim e Londres.