PUBLICIDADE
Topo

Leandro Carneiro

OPINIÃO

Texto em que o autor apresenta e defende suas ideias e opiniões, a partir da interpretação de fatos e dados.

Palavrão e vômito de filho. Cristiane como comentarista é ganho para Globo

Cristiane e sua camisa suja de vômito - Reprodução/Globo
Cristiane e sua camisa suja de vômito Imagem: Reprodução/Globo
Conteúdo exclusivo para assinantes
Leandro Carneiro

Editor de Splash, viciado por qualquer tipo de reality show, inclusive aqueles que os famosos vivem na vida real. Jornalista há mais de 10 anos e palpiteiro desde sempre. Se o assunto for esporte entro em campo também.

Colunista do UOL

24/07/2021 10h11

Muito se lamentou a ausência de Cristiane, artilheira histórica da seleção brasileira, nos Jogos Olímpicos. Mas após dois jogos dela como comentarista para a Globo, podemos dizer que ganhamos muito com sua presença.

Cristiane está ali como uma torcedora de suas companheiras, sem mágoas por ter ficado de fora dos Jogos de Tóquio. E mostrou isso quando a Holanda fez o terceiro gol e soltou um "puta merda" na transmissão da Globo.

Aliás, a transmissão do jogo entre Holanda e Globo ainda reservou uma situação inusitada para Cristiane que levou com bom humor quando seu filho, Bento, golfou em seu uniforme. Faz parte né? Como disse Galvão, fica para a história a cena divertida.

"Sua cena com seu filho foi um espetáculo, entra para a história da televisão", disse Galvão.

"Várias histórias. Agora, a camisa está limpa, Bento está dormindo", completou Cristiane encerrando a transmissão

Cristiane mostrou que é um ganho gigante para o entretenimento da Globo. Sem contar que o que sabe de futebol feminino é impressionante, com muito a agregar a transmissão com seu conhecimento.

Nem tudo são elogios, há algo a melhorar e não é responsabilidade de Cristiane. E sim de Galvão. Não precisamos relembrar toda partida que ela ficou fora dos Jogos, fazendo a atacante cornetar a decisão de Pia, como a possibilidade de Marta ultrapassá-la na artilharia da seleção.

** Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do UOL