PUBLICIDADE
Topo

Histórico

Fefito

OPINIÃO

Texto em que o autor apresenta e defende suas ideias e opiniões, a partir da interpretação de fatos e dados.

Em desabafo sobre assédio pela primeira vez, Dani Calabresa mostra grandeza

Dani Calabresa: "Chega uma hora em que começa a fazer tão mal que precisa arrebentar a tampa do caldeirão. A gente precisa se salvar" - Reprodução / Internet
Dani Calabresa: "Chega uma hora em que começa a fazer tão mal que precisa arrebentar a tampa do caldeirão. A gente precisa se salvar" Imagem: Reprodução / Internet
Fefito

Fernando Oliveira, conhecido como Fefito, é formado em jornalismo e pós-graduado em direção editorial. Teve passagens pela IstoÉ Gente, Diário de S. Paulo, iG, R7. Atuou como apresentador do Estação Plural, da TV Brasil, Mulheres, da TV Gazeta, e Morning Show, da Jovem Pan.

Colunista do UOL

03/03/2021 23h10

Pela primeira vez, Dani Calabresa falou sobre o assédio sofrido na época em que trabalhou com Marcius Melhem. O então diretor do departamento de humor da Globo já havia sido afastado da emissora e teve relatos de assédio sexual publicados pela revista "Piauí", em dezembro.

Durante o programa "Saia Justa", do GNT, a atriz desabafou. "Eu acho que tive que colar os caquinhos nos dois momentos mais difíceis da minha vida: depois do divórcio e nesse episódio horrível de assédio. O que me ajudou a colar os pedaços foi o trabalho, o trabalho me salvou", disse.

Ao mesmo tempo em que se mostrou completamente apaixonada por seu ofício, Dani também atribui à pressão de sua profissão por ter ficado calada por um tempo:

Hoje, analisando, por causa do trabalho eu não reagi antes. Tinha tanto medo de sofrer algum boicote, ser prejudicada, que não reagi antes. Assédio é tão assustador que a gente tenta negar para a gente mesma. Tenta fingir que aquilo que está acontecendo é normal. Você segue do jeito que consegue, fingindo normalidade, tentando ser legal, dizendo que tá tudo bem, que não está brava.

A humorista ainda fez questão de, indiretamente, rebater as acusações de Melhem, que chegou a divulgar mensagens trocadas com a então funcionária: "Nada autoriza assédio. Nenhuma brincadeira, nenhuma mensagem autoriza assédio. 'Ah, mas naquele dia foi carinhosa, riu, bebeu', não interessa. Ninguém tem o direito de forçar o contato físico com ninguém. É preciso permissão. É muito difícil lidar com tudo isso, organizar o pensamento. Estou com meus pedaços colados, estou leve. E na terapia".

Ao desabafar com tanta honestidade sobre um episódio tão traumático, Dani mostra enorme grandeza. Sem medo de tocar na ferida, se transformou um enorme exemplo para as mulheres. Os depoimentos da atriz e apresentadora, que estreia programa nesta sexta-feira (5) no canal a cabo, mudarão vidas e servirão de alerta.

Em conversa com Astrid Fontenelle, Dani foi categórica: "Chega uma hora em que começa a fazer tão mal que precisa arrebentar a tampa do caldeirão. A gente precisa se salvar".

Ao falar sobre o assunto com delicadeza e sem medo, Dani salvou vidas.

** Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do UOL