PUBLICIDADE
Topo

Histórico

Fefito

Em dois dias, 'BBB 21' mostra que 'A Fazenda' ainda tem muito a melhorar

Tiago Leifert e Marcos Mion, apresentadores do "BBB" e de "A Fazenda", respectivamente - Divulgação
Tiago Leifert e Marcos Mion, apresentadores do "BBB" e de "A Fazenda", respectivamente Imagem: Divulgação
Fefito

Fernando Oliveira, conhecido como Fefito, é formado em jornalismo e pós-graduado em direção editorial. Teve passagens pela IstoÉ Gente, Diário de S. Paulo, iG, R7. Atuou como apresentador do Estação Plural, da TV Brasil, Mulheres, da TV Gazeta, e Morning Show, da Jovem Pan.

Colunista do UOL

27/01/2021 10h59

Passado pouco mais de um mês da grande final de "A Fazenda 12", é impossível não traçar um paralelo entre o reality show da Record e o "BBB 21", recém-estreado. E as comparações vão além do fato de que famosos passaram a ser escalados para o programa da Globo, mas dizem respeito também a questões técnicas e cuidados importantes.

Em apenas dois dias, deu para ver como a atração rural ainda tem muito a melhorar, especialmente em três pontos, que a coluna lista a seguir.

1) Transmissão sem cortes - É um alívio assistir a um reality que anuncia transmissão 24 horas transmitindo, de fato, 24 horas. Não há cortes para cômodos vazios quando provas ou discussões acontecem. Não há mudança de câmera quando alguém fala de palavrão ou sexo - há, sim, avisos quando questões de produção são citadas, vale ressaltar. E o mais importante: há a possibilidade de assistir o que acontece na casa por meio de várias câmeras. Capacidade para isso a Record tem, mas a emissora parece preferir alimentar teorias da conspiração e acusações de censura nas redes sociais. Acaba perdendo em repercussão.

2) Tira-teima nas provas - Depois de um ano em que fazer uma soma matemática se tornou um problema em "A Fazenda", as provas do "BBB" conquistam pela maior simplicidade e também pela possibilidade de tira-teima. Quando participantes são eliminados por burlar alguma regra, por exemplo, na mesma hora há a possibilidade de replay da cena ao vivo, numa espécie de VAR do reality. Já na Record houve vezes em que o espectador viu erros serem tratados como acertos e depois desmentidos no dia seguinte.

3) Transparência no jogo - Algo que o "BBB" sempre fez bem foi antecipar parte das surpresas para o público. Ainda que nem tudo fique claro sempre, toda e qualquer mudança no jogo ou nova regra é antecipada para o espectador antes de os participantes saberem, às vezes, com dias de antecedência. Isso evita qualquer frustração com "conteúdos surpresa" de envelopes misteriosos, por exemplo.

"A Fazenda" é, sim, uma delícia de assistir e a última edição parece ter ainda uma vantagem sobre o "BBB 21": o elenco, que entrou mais disposto ao conflito. Ainda assim, a Record precisa entender que melhorar e conferir mais transparência ao seu reality é garantia de que ele seguirá despertando interesse. Nisso, a Globo tem dado um banho. O "Big Brother Brasil" fez falta.