PUBLICIDADE
Topo

Histórico

Fefito

'WandaVision' foge ao comum de séries de herói e vira grande homenagem à TV

Wanda (Elizabeth Olsen) e Visão (Paul Bettany) em "WandaVision" - Divulgação/Disney
Wanda (Elizabeth Olsen) e Visão (Paul Bettany) em 'WandaVision' Imagem: Divulgação/Disney
Fefito

Fernando Oliveira, conhecido como Fefito, é formado em jornalismo e pós-graduado em direção editorial. Teve passagens pela IstoÉ Gente, Diário de S. Paulo, iG, R7. Atuou como apresentador do Estação Plural, da TV Brasil, Mulheres, da TV Gazeta, e Morning Show, da Jovem Pan.

Colunista do UOL

15/01/2021 12h09

Cercada de expectativa, "WandaVision", primeira série do universo Marvel, disponibilizou seus dois primeiros episódios no Disney Plus e confirmou a tendência de levar para a televisão o universo dos super-heróis de maneira humanizada. Ao contrário de produções como "The Boys", no entanto, a violência e o sexo não viram forças motoras para a trama. O que se vê, a princípio, é uma maior ingenuidade, em clara referência a sitcoms que fizeram história, como "I Love Lucy".

Estrelada por Elizabeth Olsen e Paul Bettany, já conhecidos pelos filmes dos Vingadores, a produção promete um passeio por referências dos seriados americanos. Em preto e branco, os dois primeiros episódios são repletos de piadas espertas e uma trama, aparentemente, banal. Para os conhecedores dos quadrinhos, no entanto, fica bem claro o que está acontecendo: com poderes que a permitem moldar a realidade, a Feiticeira Escarlate parece tentar fazer acontecer o sonho de ter uma vida comum e formar uma família com o androide Visão.

No roteiro, fica claro o esforço da heroína em criar uma história que sirva a ambos e até mesmo "rebobiná-la" quando necessário. Até mesmo uma vizinhança pré-fabricada, com atuações cirúrgicas, vira destaque. Kathryn Hahn e Debra Jo Rupp, por exemplo, roubam a cena com suas personagens que reforçam o estereótipo da dona de casa de subúrbio.

Para fãs da Marvel, o projeto é um prato cheio: há pistas escondidas até mesmo nas falsas propagandas inseridas no meio de cada capítulo, com referências a organizações de vilões como Hydra, por exemplo.

É bastante curioso perceber como a Disney tratou de fugir ao lugar-comum do embate entre mocinhos e malvados em sua primeira série original da Marvel. O início de "WandaVision" é muito bem sucedido e traz pistas do que pode ocorrer no futuro. Nas HQs, para se ter uma ideia, Wanda chegou a criar filhos com Visão e até mesmo a quase exinguir os X-Men apagando a existência dos mutantes na Terra.