PUBLICIDADE
Topo

Histórico

Fefito

Com pandemia e Black Lives Matter, 'This Is Us' usa mundo real de alavanca

Randall (Sterling K. Brown) e Kevin (Justin Hartley), em cenas de "This is Us" - Divulgação
Randall (Sterling K. Brown) e Kevin (Justin Hartley), em cenas de "This is Us" Imagem: Divulgação
Fefito

Fernando Oliveira, conhecido como Fefito, é formado em jornalismo e pós-graduado em direção editorial. Teve passagens pela IstoÉ Gente, Diário de S. Paulo, iG, R7. Atuou como apresentador do Estação Plural, da TV Brasil, Mulheres, da TV Gazeta, e Morning Show, da Jovem Pan.

Colunista do UOL

18/11/2020 12h36

Resumo da notícia

  • Seriado passou a tratar dos temas no cotidiano de seus personagens
  • Movimento Black Lives Matter virou ponto de discussão para família de Randall (Sterling K. Brown)
  • Da mesma maneira, coronavírus passou a tratado de forma integrada à rotina dos protagonistas

Séries dramáticas costumam enfrentar alguns períodos de "barriga", quando a história parece se arrastar além do que deve e a ação nem sempre ganha os rumos e o ritmo esperados. "This Is Us", no entanto, parece enfrentar esse empecilho de maneira corajosa e um tanto inovadora. Quando chegou ao fim, no ano passado, a quarta temporada não tinha nem mesmo uma leve sombra ou dica de que o mundo enfrentaria uma pandemia. Na quinta leva de episódios, iniciada há três semanas, os produtores encontraram um modo de inserir de maneira orgânica o modo como o mundo lida com o coronavírus.

Já no primeiro episódio deste ano, os personagens passam a justificar que não pode se abraçar, usam máscaras, se referem a testagem e conversam à distância. Momentos de intimidade, ainda que colocados a certa distância em ambientes internos, ainda assim soam calorosos. Os protocolos são declarados, mas inseridos de maneira comum, sem exageros. O que a série, que por aqui vai ao ar no Fox Premium, mostra é que, mais do que inserir mais histórias e personagens como uma cebola cheia de camas, é que a realidade pode ser uma boa alavanca para sua narrativa.

O movimento Black Lives Matter ("Vidas Negras Importam", em inglês), por exemplo, vira pano de fundo de um dos episódios e gera uma importante discussão envolvendo Randall, brilhantemente interpretado por Sterling K. Brown, e sua família. Em conversa com a irmã, Kate (Chrissy Metz), surge uma questão importante sobre representatividade negra. O modo como assiste ao noticiário sobre violência policial contra negros também é tocante. O cotidiano anda tão surreal que os roteiristas não precisam ir muito além do mundo real para trazer temas para debate.

Aparentemente uma novela sem fim, "This Is Us" tem como mérito sempre provar ao espectador que ele não conhece seus protagonistas por completo. Tão cheios de vida e questões, estas figuras parecem oferecer sempre algo novo e, ainda assim, fácil de reconhecer para quem assiste.

Os quatro primeiros episódios da quinta temporada mostram que, ainda que não tenham existido grandes e rebuscadas viradas, o seriado encontrou no noticiário real a melhor alavanca para a sua história.