PUBLICIDADE
Topo

Chico Barney

OPINIÃO

Texto em que o autor apresenta e defende suas ideias e opiniões, a partir da interpretação de fatos e dados.

Maísa é uma boa aposta para suceder Bonner no comando do Jornal Nacional

Boa noite!  - Reprodução/Montagem
Boa noite! Imagem: Reprodução/Montagem
só para assinantes
Chico Barney

Entusiasta e divulgador da cultura muito popular. Escreve sobre os intrigantes fenômenos da TV e da internet desde 2002

Colunista do UOL

20/06/2022 10h11

Os mais variados veículos focados na cobertura de bastidores da TV brasileira estão em compasso de espera por conta de dois assuntos fundamentais: a possível inclusão de Maisa ao cada vez mais exclusivo círculo de artistas com contrato fixo na Globo e a sucessão de William Bonner no Jornal Nacional.

Quem navega por esse segmento do noticiário tem a sensação de que a qualquer momento tropeçará na informação de qual compromisso a ex-pestinha do Programa Silvio Santos assumirá em Curicica.

A principal tendência, pelo que se lê por aí, é que seja no comando do Video Show. O programa saiu do ar em 2019, após 36 anos de bons serviços à construção do ethos do nosso entretenimento. Acabou perdendo força e relevância para dar lugar ao Se Joga, mas não sei se é de bom alvitre começar a semana falando disso.

Na companhia da estrela de Carrossel, duas importantes figuras aparecem cotadas para apresentar o reboot. Ana Clara, a mais reluzente prata da casa, que chegou a participar de uma fase na reta final da encarnação anterior, e Sabrina Sato, que chegou da Record com moral de global veterana.

São todos nomes excelentes, e o Video Show realmente faz falta na programação. Mas acredito que Maisa tenha uma missão ainda mais nobre, se realmente estiver interessada em receber um crachá da Globo.

Como escrevi no começo desta coluna, já faz alguns meses que gente muito consciente do que acontece nos corredores das grandes emissoras sinaliza que a passagem de William Bonner como comandante do Jornal Nacional está próxima de um desfecho.

Desde 1996 na função, o jornalista estaria em busca de alguém para sucedê-lo na telinha, enquanto passaria a se dedicar mais ao gerenciamento editorial do principal telejornal do país. O burburinho ganhou musculatura por conta da alta rotatividade de substitutos nos últimos meses.

Acredito que Maisa é o nome ideal para assumir a condução do JN a partir da despedida de Bonner. É uma artista consciente, inteligente e com posicionamentos interessantes acerca das coisas que importam.

Tê-la como crooner dos fatos mais relevantes do Brasil diariamente ajudaria a Globo a trazer de volta um público mais jovem para frente da TV, além de renovar a linguagem rumo aos anseios mais frenéticos do século 21.

A sugestão está feita, agora a bola está com a Globo. Com apenas uma movimentação, pode colocar um ponto final a meses de especulações na imprensa a respeito de dois assuntos diferentes.

Voltamos a qualquer momento com novas informações.