PUBLICIDADE
Topo

Chico Barney

Cantora bolsonarista Juliana Bonde estrela reality sensual com dançarinas

Juliana Bonde no reality Tudo Pela Fama - Reprodução/YouTube
Juliana Bonde no reality Tudo Pela Fama Imagem: Reprodução/YouTube
Chico Barney

Entusiasta e divulgador da cultura muito popular. Escreve sobre os intrigantes fenômenos da TV e da internet desde 2002.

Colunista do UOL

28/08/2020 00h06

Responsável por sucessos como "Bate com vontade" e "Apaixonado nessa raba", Juliana Bonde continua em ascensão nas redes sociais.

A cantora que se tornou musa da direita bolsonarista pelo apoio incondicional ao presidente está lançando um reality show de cunho evidentemente sensual no YouTube e outras plataformas.

"Tudo Pela Fama" reúne Juliana, algumas dançarinas que trabalham para o Bonde do Forró e conta com a apresentação de um coreógrafo que insiste em chamá-las de galinhas.

O programa estreou nesta quinta-feira e já acumula um eloquente volume de visualizações —até o fechamento desta edição, estava na casa do meio milhão.

É basicamente uma sequência de situações incoerentes para justificar os closes da câmera nos corpos das participantes.

Dos 30 minutos deste episódio inicial, quase metade é ocupada por atividades em uma versão com lama da banheira do Gugu.

Outro tanto é dedicado a uma poderosa sequência de ações comerciais e o resto varia entre conversas absolutamente ininteligíveis, alguma ginástica e qualquer outro motivo para os mais pitorescos enquadramentos —muitas vezes do pescoço para baixo.

No intuito de fidelizar os telespectadores mais afoitos, é possível pagar R$ 34,90 por mês para acompanhar uma versão "para maiores" da atração.

De maneira deliberada, "Tudo Pela Fama" é mambembe e anacrônico, como a envolvente personagem de Juliana, que parece egressa de algum genérico da Escolinha do Professor Raimundo.

Uma mistura explosiva da estética perpetuada pela RedeTV! no começo dos anos 2000 com os preceitos do Dogma 95 de Lars von Trier.

Voltamos a qualquer momento com novas informações.

** Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do UOL