PUBLICIDADE
Topo

Arte Fora do Museu

OPINIÃO

Texto em que o autor apresenta e defende suas ideias e opiniões, a partir da interpretação de fatos e dados.

A exposição permanente na Lua

Conteúdo exclusivo para assinantes

Felipe Lavignatti

Colunista do UOL

31/03/2022 12h56Atualizada em 31/03/2022 12h56

Desde 1959 a Lua recebe itens feitos por humanos. A imensa maioria são restos de missões espaciais de exploração do nosso satélite que viraram um entulho espacial. Existem itens mais elaborados deixados de propósito ali, como a famosa bandeira dos EUA e até mesmo uma escultura de 9 cm de Paul Van Hoeydonck chamada "O Astronauta Caído". Esse museu visitado por ninguém há mais de 50 anos deve ganhar mais obras ainda este ano.

Jeff Koons está preparando uma série de esculturas que devem chegar ao solo lunar em julho. A nova série de Koons será enviada a bordo de um módulo lunar conhecido como Nova C, desenvolvido pela empresa privada americana Intuitive Machines.

Ilustração do módulo lunar da Intuitive Machines - Divulgação - Divulgação
Ilustração do módulo lunar da Intuitive Machines
Imagem: Divulgação

Ainda não há detalhes sobre as obras, que serão alojadas permanentemente em um cubo transparente e com revestimento térmico. A sonda tem uma capacidade de carga de 100 kg e mede dois por três metros, o que torna improvável que as obras lunares de Koons sejam tão grandes quanto suas esculturas mais famosas.

"Dom Pérignon Balloon Venus", uma escultura de Jeff Koons - Reprodução/Sotheby's - Reprodução/Sotheby's
"Dom Pérignon Balloon Venus", uma escultura de Jeff Koons
Imagem: Reprodução/Sotheby's

O artista tem em seu currículo a obra de arte mais cara de um artista vivo, a escultura "Rabbit", leiloada por US$ 91 milhões na casa de leilões Christie's. Isso não é nada comparado com o preço de uma missão lunar. A Chang'e 5, a última enviada pela China, teve um custo estimado de mais de US$ 400 milhões.

Um pedaço da obra 'Journey of Humanity', de Sacha Jafri, a maior pintura do mundo - Reprodução/Instagram - Reprodução/Instagram
Um pedaço da obra 'Journey of Humanity', de Sacha Jafri, a maior pintura do mundo
Imagem: Reprodução/Instagram

Pelo visto há uma corrida espacial de artistas. Sacha Jafri anunciou que pretende levar uma pintura em placa de alumínio ainda este ano. Sacha tem em seu currículo a maior pintura do mundo, medindo 1800 metros quadrados. Na disputa de grandeza entre Jafri e Koons, o céu é literalmente o limite. E, claro, em ambos trabalhos enviados ao espaço, suas versões em NFT também serão vendidas.