PUBLICIDADE
Topo

10 filmes para você se apaixonar pelo cinema mudo - no YouTube e legendados

Conrad Veidt em cena de "O Gabinete do Dr. Caligari" (1920) - Reprodução
Conrad Veidt em cena de "O Gabinete do Dr. Caligari" (1920) Imagem: Reprodução
André Barcinski

André Barcinski é jornalista, roteirista e diretor de TV. É crítico de cinema e música da ?Folha de S. Paulo?. Escreveu sete livros, incluindo ?Barulho? (1992), vencedor do prêmio Jabuti de melhor reportagem. Roteirizou a série de TV ?Zé do Caixão? (2015), do canal Space, e dirigiu o documentário ?Maldito? (2001), sobre o cineasta José Mojica Marins, vencedor do Prêmio do Júri do Festival de Sundance (EUA). Em 2019, dirigiu a série documental ?História Secreta do Pop Brasileiro?.

Colunista do UOL

18/08/2020 06h00

Resumo da notícia

  • Lista mostra dez filmes clássicos para você se apaixonar pelo cinema mudo
  • Todos estão disponíveis no YouTube e legendados em português
  • Seleção eclética reúne obras do Expressionismo alemão, comédias, documentários e surrealistas

A gente reclama, e com razão, da dificuldade de encontrar filmes antigos em serviços de streaming. Mas o YouTube está cheio de grandes clássicos do cinema que podem ser apreciados em cópias de boa qualidade e legendadas em português.

Fiz uma seleção de dez grandes filmes do cinema mudo. É uma boa introdução para quem gostaria de começar a explorar o assunto. Escolhi um filme de cada diretor e tentei fazer uma seleção eclética, abrangendo filmes do Expressionismo alemão, comédias, documentários e obras surrealistas.

Em ordem cronológica:

O Gabinete do Doutor Caligari (Robert Wiene, 1920)

Um dos mais conhecidos e influentes filmes do Expressionismo alemão da década de 1920, conta a história de um hipnotista que usa um pobre sonâmbulo para cometer crimes terríveis. Os cenários tortos e bizarros e a fotografia altamente contrastada criam um visual de terror, loucura e paranoia.

Nanook, o Esquimó (Robert Flaherty, 1922)

Fascinante documentário - com várias sequências encenadas - sobre a vida de uma família de esquimós no norte do Canadá.

Nosferatu (F.W. Murnau, 1922)

Grande clássico do Expressionismo alemão, é uma adaptação de "Drácula", de Bram Stoker, e permanece como um dos filmes mais assustadores e visualmente impactantes já feitos.

O Encouraçado Potemkin (Sergei Einsenstein, 1926)

Considerado um dos filmes fundamentais do cinema, reencena o motim ocorrido em 1905 num navio militar russo. "Potemkin" praticamente criou o "beabá" da montagem no cinema.

A General (Buster Keaton, 1926)

Mesmo para um gênio como Buster Keaton, "A General" é um feito cinematográfico de primeira grandeza. Keaton faz o condutor de uma locomotiva - a General - que se vê envolvido na Guerra Civil Americana.

Metropolis (Fritz Lang, 1927)

Superprodução de ficção-científica passada no futuro distópico de 2030, quando o mundo é controlado por magnatas que exploram multidões trabalhando em condições desumanas. O filho de um desses magnatas descobre a vida subterrânea do proletariado e tenta mudar o estado das coisas.

Um Cão Andaluz (Luis Buñuel e Salvador Dalí, 1929)

Curta-metragem surrealista filmado por dois gênios espanhóis, Luis Buñuel e Salvador Dalí, e inspirado por sonhos que incluem um olho e uma navalha. Vinte e um minutos que vão mudar sua vida.

A Caixa de Pandora (G.W. Pabst, 1929)

Louise Brooks faz Lulu, uma mulher linda e sedutora que vira o centro de um drama pesado envolvendo traição e morte.

Um Homem com uma Câmera (Dziga Vertov, 1929)

Se Eisenstein inventou a montagem, podemos dizer que o ucraniano Dziga Vertov expandiu os limites criativos do que era possível fazer com ela. Esse filme, editado pela esposa de Vertov, Elizaveta Svilova, ainda surpreende pela ousadia técnica e criatividade.

Luzes da Cidade (Charles Chaplin, 1931)

Difícil escolher o filme mais sublime de Chaplin, mas este precisa estar no topo da lista. O vagabundo Carlitos se apaixona por uma moça cega, num dos mais bonitos romances do cinema.

Uma ótima semana a todos.

Visite meu site: andrebarcinski.com.br

** Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do UOL.