PUBLICIDADE
Topo

Aline Ramos

OPINIÃO

Texto em que o autor apresenta e defende suas ideias e opiniões, a partir da interpretação de fatos e dados.

A Fazenda: Queriam fazer de Dayane uma Juliette, só faltou combinar com ela

Reprodução / Instagram
Imagem: Reprodução / Instagram
Conteúdo exclusivo para assinantes
Aline Ramos

Aline Ramos é jornalista, mas tá mais pra palpiteira, por isso cria conteúdo na internet desde 2014. Você com certeza já fez algum teste dela no BuzzFeed, onde foi redatora por dois anos. É especialista em diversidade e dá consultoria para marcas em temas como raça e gênero. Mas o que ama mesmo é escrever sobre entretenimento e dar opinião sobre tudo, se bobear até sobre a sua vida.

Colunista do UOL

04/12/2021 04h00

Juliette é a mulher do ano. Pelo menos para a revista GQ, que concedeu o título à ex-BBB. Muita gente discorda, mas é fato que ela concentrou boa parte das conversas durante 2021, até mesmo em A Fazenda 13. No discurso feito por Adriane Galisteu na noite de eliminação de Dayane Mello, a apresentadora citou a cantora paraibana.

Ao longo do reality rural da Record, o público comparou alguns participantes com a campeã do BBB 21. Rico Melquíades, Erika Schneider e Dayane Mello estiveram no centro dessas analogias, mas nenhum deles conseguiu alcançar minimamente o patamar de Juliette. Dayane foi quem chegou mais perto, mas não pareceu interessada em seguir uma trajetória semelhante. A modelo foi excessivamente ela mesma no programa, e talvez por isso tenha sido eliminada.

Se Dayane não pareceu adepta do juliettismo, o mesmo não se pode dizer de sua torcida. As taças, como se autointitulam - e se identificam nas redes sociais com o emoji de uma taça de vinho -, usam métodos semelhantes aos famosos cactos de Juliette. São grupos igualmente apaixonados e organizados.

Foi graças aos fãs que a história de assédio que envolveu Nego do Borel e Dayane ganhou mais repercussão nas redes sociais e na imprensa. Na ocasião, as taças se engajaram em mutirões para levar o assunto a ser um dos mais comentados no Twitter, organizaram uma linha narrativa com os vídeos que não foram mostrados pela Record e realizaram protestos presenciais. Esse conjunto de ações expôs o caso de maneira mais clara e enfática.

A história de assédio parecia favorecer Dayane dentro do jogo por uma questão de empatia e solidariedade. Porém, a modelo fez uma série de declarações preconceituosas ao longo do programa. Isso certamente a fez perder popularidade, inclusive entre quem considera lamentável o que sofreu com Nego do Borel. Ao lado dela ficaram apenas fãs dispostos a defendê-la a qualquer custo, algo que lembra como muitos agiram ao defender Juliette das declarações consideradas discriminatórias que fez dentro do BBB.

No reality da Globo, Juliette conseguiu vender como ninguém a imagem de exemplo moral, mesmo com um erro aqui e outro ali. Trabalhadora, humilde e de origem simples, a paraibana conseguiu reunir os valores que boa parte dos brasileiros valoriza. E foi aí que Dayane se perdeu em A Fazenda, onde muitas vezes se mostrou cheia de si, inflexível e com dificuldades para pedir desculpas.

Aqui fora, os fãs de Dayane a viam como uma Juliette. Tudo o que a modelo fazia tinha uma justificativa moralmente elevada. Na visão deles, ninguém torceu por Dayane por gostar dela como uma espécie de vilã, mas por ela estar sempre enfrentando uma grande conspiração para derrubá-la. A conta não fecha. Dayane se vê apenas como Dayane, e vai ser difícil para ela lidar com tantas expectativas.

** Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do UOL