PUBLICIDADE
Topo

Aline Ramos

OPINIÃO

Texto em que o autor apresenta e defende suas ideias e opiniões, a partir da interpretação de fatos e dados.

Cauã rico x Cauã pobre: 'Um Lugar ao Sol' tem trama clichê entre gêmeos

Conteúdo exclusivo para assinantes
Aline Ramos

Aline Ramos é jornalista, mas tá mais pra palpiteira, por isso cria conteúdo na internet desde 2014. Você com certeza já fez algum teste dela no BuzzFeed, onde foi redatora por dois anos. É especialista em diversidade e dá consultoria para marcas em temas como raça e gênero. Mas o que ama mesmo é escrever sobre entretenimento e dar opinião sobre tudo, se bobear até sobre a sua vida.

Colunista do UOL

09/11/2021 07h16

Um Lugar ao Sol, a nova novela das nove da Globo, estreou apresentando velhos clichês que conhecemos bem. De um lado, uma família pobre vive uma tragédia terrível: a mãe morre no parto de dois meninos gêmeos. De outro, um casal rico viaja até o sertão de Goiás para comprar um bebê, já que não conseguem engravidar.

Parece que já vimos essa história muitas vezes, mas com uma ou outra coisa diferente. A sensação é de que a qualquer minuto Dona Lurdes (Regina Casé) vai aparecer procurando Domênico (Chay Suede). Um Lugar ao Sol lembra Amor de Mãe, A Dona do Pedaço e Mulheres de Areia. E isso é ótimo.

Ser clichê é a melhor coisa que pode acontecer a uma novela. Ninguém senta em frente à TV e coloca numa novela para ser totalmente surpreendido ou pensar sobre questões existenciais da vida. Queremos que a trama nos leve para uma história que divirta e emocione, ainda que a nossa atenção não seja plena.

E foi isso que aconteceu na estreia de Um Lugar ao Sol. Poucos prestaram atenção o suficiente para decorar o nome dos irmãos gêmeos interpretados por Cauã Reymond, mas isso não significa que a história não estava envolvente. De um modo coletivo, os irmãos foram divididos entre Cauã rico e Cauã pobre, extremos que nos lembram o clássico entre irmã má x irmã boa.

É gostoso quando uma novela nos dá a oportunidade de brincar assim com os personagens, mesmo com alguma história triste no meio. O clichê nos dá conforto, coisa que temos precisado mais do que nunca ultimamente no Brasil.

** Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do UOL