A história de amor por trás de "Babenco"

Por Beatriz Amendola

Bárbara Paz e Hector Babenco permaneceram juntos por nove anos até a morte do cineasta, em 2016. E agora, o documentário "Babenco - Alguém tem que ouvir o coração e dizer: Parou", dirigido por ela, finalmente faz sua estreia nos cinemas brasileiros
giphy
O filme, que foi destaque no Festival de Veneza no ano passado, já foi escolhido pelo Brasil para disputar uma vaga no Oscar. Por isso, lembramos aqui a história de amor de Bárbara e Hector, que além de dividirem a vida, também colaboraram em vários projetos.
Folhapress

O começo

A atriz e o cineasta começaram a namorar em 2007, após se conhecerem na Flip. Dois anos depois, Babenco escreveu sobre o dia em que os dois se viram pela primeira vez:
Léo Marinho / AgNews

Num passo firme em minha direção, se plantou e disse: 'Estou com fome, vamos jantar'. Falou com uma decisão masculina impossível de renegar. Foi como ser chamado para um duelo. Foi assim que tudo começou.

Babenco, à revista Joyce Pascowitch, em 2009
Amauri Nehn/Photo Rio News

Preconceito

A diferença de idade de 26 anos entre os dois rendeu comentários preconceituosos à época, devidamente refutados por Bárbara.
Marcos Ribas/Photo Rio News

O preconceito está em você, no outro. Em mim ele não mora. Quando você se apaixona por alguém não fica vendo número. Quando existe amor, parceria, não existe isso de idade.

Bárbara, à revista Contigo
Manuela Scarpa/Photo Rio News

União pessoal e profissional

Os dois se casaram em 2010 e, no mesmo ano, começaram a trabalhar juntos, na peça "Hell". Mais tarde, eles fariam outra peça, "Vênus em Visom", e "Meu Amigo Hindu" (foto), último filme do cineasta.
Divulgação

Breve separação

Em 2014, Bárbara e Hector chegaram a ficar separados por dez meses, mas reataram. 'Hector é um parceiro para minha vida toda, um amor infindável', disse ela, na época em que os dois retomaram o relacionamento.
Agnews

O documentário

A atriz e o cineasta trabalhavam juntos havia três anos em "Babenco" quando ele morreu, aos 70 anos. "Ele estava sentindo que o ciclo estava se fechando", disse Bárbara ao UOL ano passado, em Veneza. "Então ele queria que eu o filmasse. É um filme sobre perda de memória, ele queria resgatar várias lembranças".
Divulgação

Rumo ao Oscar

Agora, Bárbara se vê emocionada com a pré-indicação do documentário ao Oscar. "Esse filme é uma carta de amor, um poema. Eu não queria mostrar só o final, mas o que foi Hector Babenco durante sua vida".
Daniele Venturelli/WireImage
Publicado em 26 de novembro de 2020.