PUBLICIDADE

Topo

A Pepeca tá ON

Uma viagem pela sexualidade feminina, conduzida por ela: a vulva!


O Mapa da Vulva: por que conhecer o próprio corpo ajuda no prazer sexual?

Priscila Carvalho

De Universa

17/08/2021 08h00

Depois de uma transa ruim, Rita lamenta e se vê diante de uma verdade incontestável: é preciso conhecer a própria casa antes de receber visitas. A partir daí, a personagem embarca em uma viagem pelo seu corpo para entender como ele funciona e como levá-lo ao prazer — seja sozinha ou acompanhada.

Assim começa o primeiro dos quatro episódios de "A Pepeca tá ON", websérie em animação de Universa sobre sexualidade feminina. A aventura é conduzida pela vulva de Rita, que é dublada pela atriz Maria Bopp. "Essa série fala sobre sexualidade de maneira leve e acessível. Eu, pelo menos, tenho muita vergonha de falar de sexo. A possibilidade que tive de falar, brincar e até gozar por áudio dando voz à Pepeca foi incrível e muito divertido", diz Maria.

Para começo de conversa: é vulva ou vagina?

A compreensão das estruturas sexuais é fundamental para encontrar o próprio prazer sem amarras — seja sozinha, na masturbação, ou acompanhada. Dessa forma, será mais fácil descobrir o que cada região do corpo entrega em termos de sensações.

Como muitas mulheres passam anos sem ao menos tentar se tocar, é muito comum que elas mesmas não saibam a diferença entre vulva e vagina. Mas é bem simples: a vulva é a região externa da genital, onde ficam os grandes e pequenos lábios, clitóris, abertura da vagina e a uretra e períneo (espaço entre vagina e ânus).

Já a vagina é a parte cilíndrica e interna da região genital, na qual ocorre a penetração vaginal. Ela começa no hímen e vai até o colo do útero. Aliás, mora aí o primeiro mito: apesar de toda a pressão social em torno do rompimento do hímen como sinal de perda de virgindade, este é só mais um tabu — afinal, nem hímen, nem a penetração definem uma relação sexual.

Cena da websérie "A Pepeca tá ON" - Consulado/UOL - Consulado/UOL
Cena da websérie "A Pepeca tá ON"
Imagem: Consulado/UOL

Exclusivo para o prazer: conheça o clitóris

O clitóris contém oito mil terminações nervosas. Isso significa que ele é muito sensível e, por isso, um ponto de atenção na hora do sexo ou da masturbação. "Ele foi feito só para sentir prazer", afirma Lilian Fiorelli, uroginecologista e especialista em Sexualidade Feminina pela Universidade de São Paulo (USP).

De fora, é possível enxergar apenas um pedacinho, que é a glande, mas ele segue com a parte chamada corpo, descendo em direção à uretra, até chegar às virilhas. "Nesta posição, pode medir ainda nove centímetros de comprimento", afirma Aline Ambrósio, ginecologista e coordenadora da pós-graduação em Sexualidade Humana do Cetrus, em São Paulo.

A estimulação causa dor ou prazer, justamente por ser tão sensível. Por isso, é fundamental que o toque seja agradável para quem sente, com movimentos e intensidade prazerosos a depender do gosto de cada uma.

Falando em vagina...

Não confunda clitóris com o "ponto G". Esse último é uma extensão vaginal do clitóris e a sensibilidade é variável, o que explica muitas mulheres não atingirem orgasmo facilmente com a penetração vaginal.

Antes dela, inclusive, é importante que as preliminares e o estímulo das zonas erógenas já tenham causado uma onda de excitação, uma vez que o aumento da circulação sanguínea no organismo vai estimular a lubrificação natural e, consequentemente, tornar o ato mais gentil e gostoso. Nessa hora, vale entender se faz sentido para você potencializar a sensação com um lubrificante à base de água. Pode ser interessante, especialmente para quem sente falta da umectação natural ou gosta de incluir sex toys no momento.

Porta de entrada

Com um espelho, deitada, dê uma olhada em toda a parte genital. Confira os lábios externos e internos, o clitóris, a entrada da vagina. Vá se habituando com a localização de cada um.

Assim como Rita, depois do tour visual, vale partir para o toque. Comece com movimentos suaves e percorra toda a região, sem tensão e obrigatoriedade de atingir um resultado. "A ansiedade de performance dispara no cérebro reações, que impedem a resposta adequada do corpo, frustrando o processo de autoconhecimento", diz Ambrósio. Mais uma vez, lubrificantes podem ajudar neste momento. Também vale pensar em imagens de despertam o interesse sexual e, sobretudo, tentar relaxar, se desapegando de qualquer culpa ou vergonha — afinal, este é um processo saudável.

Por último, acessórios, como vibradores ou outros brinquedos eróticos, inauguram outra fase; aquela em que se descobre as múltiplas sensações que podem ser despertadas.

Sobre a série "A Pepeca tá ON"

Os episódios vão ao ar às terças-feiras, no Instagram, YouTube e site de Universa. No próximo, que será publicado em 24 de agosto, Rita fará uma viagem pelo próprio ciclo menstrual para entender sensações e desejos de cada fase do mês.

Para aquecer a conversa, também fazem parte do especial uma série de 16 reportagens, algumas já disponíveis na seção Papo de Vagina, sobre saúde íntima, sexo, autoconhecimento e autoestima. Destaque para a tendência do PPKare, o mercado do bem-estar íntimo e sexual care que chegou com força ao Brasil durante a pandemia, e os detalhes do lançamento do livro "Nossos Corpos por Nós Mesmas", considerado a Bíblia da saúde sexual feminina e um clássico feminista, que demorou 50 anos para ter tradução brasileira.